O Governo Regional dos Açores está a acompanhar a situação nas freguesias de Ponta Delgada afetadas pelo mau tempo e a definir “o início de diversas intervenções”, com prioridade para Arrifes e Capelas, foi hoje anunciado.

Segundo uma nota de imprensa da Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas, o executivo açoriano (PSD/CDS-PP/PPM) “tem estado a acompanhar a situação das várias freguesias do município de Ponta Delgada afetadas, neste inverno, pelo mau tempo, num trabalho de proximidade com o poder local”.

De acordo com a fonte, foram afetadas pela intempérie as freguesias de Arrifes, Feteiras, Candelária, Ginetes, Mosteiros, Sete Cidades, Pilar da Bretanha, Ajuda da Bretanha, Remédios, Santa Bárbara, Santo António e Capelas.

“Nesta fase, o Governo dos Açores está a definir o início de diversas intervenções, com prioridade para as freguesias de Arrifes e Capelas, para os próximos dias”, lê-se.

A nota acrescenta que as restantes freguesias do concelho de Ponta Delgada afetadas pelo mau tempo “encontram-se em fase de rescaldo e estão a merecer pequenas intervenções na reposição das condições de limpezas e segurança”.

No terreno têm estado elementos das direções regionais das Obras Públicas, dos Recursos Florestais, do Ordenamento do Território e Recursos Hídricos, do Serviço de Desenvolvimento Agrário de São Miguel, do Instituto Regional do Ordenamento dos Açores e do Serviço Municipal de Proteção Civil, “num trabalho conjunto com a Câmara Municipal de Ponta Delgada”.

O município de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, informou na quinta-feira que o Governo Regional e o Instituto Regional do Ordenamento dos Açores (IROA) vão avançar com um plano que minimize o risco de inundações em várias freguesias do concelho.

O plano vai ser iniciado “no imediato” e visa corrigir situações que se verificam “há várias décadas”.

O anúncio foi feito pelo município na sequência de um encontro de trabalho que juntou o presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Pedro Nascimento Cabral, e responsáveis das direções regionais das Obras Públicas, dos Recursos Florestais, do Ordenamento do Território e Recursos Hídricos, do Serviço de Desenvolvimento Agrário de São Miguel, do IROA e do Serviço Municipal de Proteção Civil.

“Estivemos hoje reunidos com todas as entidades do Governo Regional com competência neste assunto para arranjarmos uma solução para este problema que está muito relacionado com a transformação da cultura extensiva para intensiva e das alterações morfológicas a montante”, indicou, naquele dia, o vereador com o pelouro da Gestão e Ordenamento do Território, Marco Resendes, citado numa nota de imprensa da autarquia.