O Sporting goleou na receção ao Sporting de Braga por 5-0, em jogo da 21.ª jornada da I Liga de futebol, resultado que deixa pressão no Benfica, que joga ainda hoje em Guimarães.

Numa entrada de ‘leão’, o Sporting, que atingiu uma série de sete vitórias consecutivas para o campeonato, chegou aos 18 minutos a vencer já por 2-0, com os golos de Trincão (08) e de Eduardo Quaresma (18), tendo o sueco Viktor Gyökeres (71), que lidera os melhores marcadors, com 16 golos, Daniel Bragança (73) e Nuno Santos (85) ‘desenhado’ a goleada na segunda metade.

Do outro lado, o Sporting de Braga, que vinha de três partidas sem perder para o campeonato, fica definitivamente afastado dos primeiros lugares, devendo agora concentrar-se na luta pelo quarto posto com o Vitória de Guimarães.

Com este triunfo, o Sporting assume provisoriamente a liderança, com 52 pontos, mais um do que o Benfica, que joga ainda hoje em Guimarães, com os ‘leões’ a contarem um jogo em atraso em Famalicão, enquanto o Sporting de Braga é, para já, quarto, com 40 pontos, apenas mais um do que os vimaranenses, quintos.

 

Comentário

Sporting completa ‘manita’ perante Sporting de Braga desnorteado

O Sporting completou hoje uma ‘mão cheia’ de golos face a um Sporting de Braga desnorteado e irreconhecível, em mais uma goleada robusta em Alvalade, por 5-0, na 21.ª jornada da I Liga de futebol.

Trincão (oito minutos), Eduardo Quaresma (18), Gyökeres (71), Daniel Bragança (73) e Nuno Santos (85) fizeram os tentos que permitiram ao Sporting regressar à liderança da I Liga, embora de forma provisória, enquanto os minhotos seguem em quarto lugar.

De regresso após representar o Japão na Taça Asiática, Morita foi a maior novidade no ‘onze’ sportinguista, que também viu regressar Adán e Gonçalo Inácio, ao passo que o Sporting de Braga não efetuou qualquer alteração em relação à última ronda da I Liga.

Com a ambição de ‘vingar’ o desaire nas meias-finais da Taça da Liga e de poder voltar ao topo do campeonato, a entrada em jogo do Sporting foi autoritária e determinada, demorando apenas oito minutos a colocar-se a vencer, com a ‘ajuda’ de Víctor Gómez.

O lateral-direito espanhol, vendo-se pressionado, atirou a bola sem critério para a zona frontal do terreno, na entrada da grande área, onde surgiu Trincão a ‘disparar’ cruzado, com facilidade, para o seu quinto jogo consecutivo a marcar na I Liga – com seis tentos.

O erro crasso de Víctor Gómez separou desde logo o desempenho das duas formações na partida, na qual raros foram os momentos em que o Sporting de Braga se conseguiu encontrar, o que o Sporting aproveitou da melhor maneira para aumentar a vantagem.

Já depois de uma ameaça de Geny Catamo, aos 13, os ‘leões’ apontaram o segundo de seguida, aos 18, na estreia a marcar do jovem defesa-central Eduardo Quaresma, que, qual avançado, chegou de rompante à área, passou pelos oponentes e bateu Matheus.

Feito o 2-0, o Sporting, sem nunca perder o controlo do encontro, acalmou o frenético ritmo que tinha estabelecido, mas a turma minhota, com os maiores desequilibradores Álvaro Djaló e Ricardo Horta sob forte marcação, não teve arte e engenho para reagir.

A melhor oportunidade do Sporting de Braga surgiu em cima do intervalo, num ‘disparo’ de primeira de Álvaro Djaló, que passou a poucos centímetros da baliza de Adán, com a segunda parte a reservar mais posse aos ‘arsenalistas’, mas o vazio de ideias prosseguiu.

Nuno Santos levou perigo à baliza de Matheus, aos 60, mas o Sporting de Braga podia ter reduzido aos 62 e 70: na primeira, uma boa defesa de Adán impediu o golo a Álvaro Djaló, que surgiu em excelente posição no segundo momento, mas atirou muito torto.

Face à ineficácia ofensiva dos minhotos, o Sporting sentenciou de imediato o triunfo e em dose dupla, com os tentos do ‘suspeito do costume’ Gyökeres, aos 71, e de Daniel Bragança, que tinha rendido Morita, contra o completo desnorte do Sporting de Braga.

O resultado já era dilatado e a vitória estava garantida, mas ainda houve tempo para o Sporting alcançar a ‘mão cheia’ de golos, aos 85, por intermédio de Nuno Santos, que resgatou uma bola perdida no interior da área e finalizou sem hipóteses para Matheus.