O presidente do PSD, Luís Montenegro, acusou hoje o líder do PS/Açores e candidato à presidência do Governo Regional, Vasco Cordeiro, de ter abraçado o Chega ao contribuir para o chumbo do orçamento regional.

“Enquanto nós demos um ‘chega’ para lá, o dr. Vasco Cordeiro abraçou o Chega. Eu acho que não vale a pena andarem com retóricas, é o que é, e os açorianos vão dizer nas urnas o que acham desse comportamento”, afirmou Luís Montenegro, em Vila do Porto, na ilha açoriana de Santa Maria.

Segundo uma nota de imprensa do PS/Açores, Vasco Cordeiro disse na quarta-feira, na apresentação dos candidatos do PS pelo círculo eleitoral da Graciosa às eleições regionais antecipadas de 04 de fevereiro, que as declarações de Luís Montenegro em Lisboa e nos Açores “não batem certo”.

“Em Lisboa, Montenegro diz que só governará se ganhar eleições, mas não tem pudor [em] se colocar ao lado de um presidente do Governo que governa sem ter vencido eleições sem o mínimo problema. Em Lisboa, ele diz que não se coligará com o Chega. Mas aqui, nos Açores, tece elogios e loas a um Governo que só existe porque tem o apoio do Chega. Não bate certo. Não pode estar a falar a verdade nos dois sítios. Afinal, onde é que está a mentir?”, questionou Vasco Cordeiro.

Na resposta, Luís Montenegro salientou que “o presidente do PS/Açores não quer ser esclarecido” e “não sabe para onde se há de virar”, considerando que o candidato socialista, “objetivamente, é responsável por ter deitado o Governo dos Açores abaixo a nove meses das eleições normais”, pois juntou-se ao Bloco de Esquerda, Chega, Iniciativa Liberal e PAN.

“Foi ele que se juntou a eles”, acrescentou.

O PS venceu as eleições regionais em 2020, mas perdeu a maioria absoluta. À direita, formou-se uma maioria alternativa: PSD, CDS-PP e PPM acabaram por formar governo, com acordos de incidência parlamentar com Chega e IL, que garantiam a maioria absoluta dos votos na assembleia regional.

Um dos deputados do Chega passou a independente meses depois, garantindo que mantinha o apoio ao executivo liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, mas retirou-o em março de 2023, no mesmo dia em que a IL anunciou ter rompido o seu acordo.

Em novembro, a abstenção do Chega e do PAN e os votos contra de PS, IL e BE levaram ao chumbo do Orçamento dos Açores para 2024.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reuniu o Conselho de Estado e anunciou depois a dissolução da assembleia legislativa e a marcação de eleições antecipadas.

No âmbito da iniciativa “Sentir Portugal” nos Açores, Luís Montenegro está hoje na ilha de Santa Maria, tendo começado por visitar a esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP) em Vila do Porto, a necessitar de uma intervenção “muito importante do ponto de vista de oferecer condições de trabalho aos agentes”, matéria que preocupa o PSD “em todo o país”.

Seguiu-se uma visita ao Teleporto de Santa Maria, operado pela Thales Edisoft Portugal. O Teleporto tem, por exemplo, uma estação da Agência Espacial Europeia que faz rastreio de lançadores e satélites, uma estação de rastreio de satélites meteorológicos da Eumetsat (Organização Europeia para a Exploração de Satélites Meteorológicos), e o Galileo Sensor Station, estação de monitorização do sinal, intervalos do relógio e posição dos satélites Galileo em órbita da Terra.

O líder do PSD destacou a aposta do executivo de valorização do aproveitamento e criação de um ecossistema “à volta do espaço”.