A campanha para as legislativas açorianas de domingo termina hoje, com a maioria das candidaturas a escolher as ruas da ilha de São Miguel para as últimas iniciativas e menos de metade acompanhadas pelos líderes partidários.

Quase 230 mil eleitores vão votar para escolher os 57 lugares do parlamento regional, após a primeira legislatura com fim antecipado na história do arquipélago, na sequência do chumbo do Plano e Orçamento Regional para este ano e da dissolução da Assembleia Legislativa pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Da agenda de hoje constam ações de quase todas as 11 forças políticas concorrentes, com exceção da coligação MPT/Aliança, que apenas teve a lista validada no círculo de Santa Maria (dos 10 círculos existentes) e durante toda a campanha não comunicou qualquer iniciativa.

Com exceção do bloquista António Lima, que fará um comício à tarde na Ribeira Grande, e de Rui Matos, do ADN, com uma iniciativa junto ao Departamento de Investigação e Ação Penal em Ponta Delgada, os cabeças de lista da maior ilha do arquipélago incluíram na agenda contactos com a população nas ruas, e nos casos do PS, do Chega e do JPP estarão presentes os líderes dos partidos.

O secretário-geral socialista, Pedro Nuno Santos, acompanha Vasco Cordeiro no concelho da Lagoa, de manhã, sem hipótese de se cruzar com o presidente do Chega, André Ventura, que à tarde estará com José Pacheco no centro de Ponta Delgada.

O PS volta a estar na rua à tarde, já sem o líder nacional, mas na freguesia de São Roque, nos arredores da maior cidade açoriana.

O atual presidente do Governo Regional e líder da coligação PSD/CDS-PP/PPM, José Manuel Bolieiro, vai contactar com a população no centro de Ponta Delgada de manhã e, já nos arredores, nos Arrifes, à tarde, no dia em que o presidente social-democrata, Luís Montenegro, está de visita ao Corvo, ilha que não chegou a visitar num périplo realizado em janeiro pelo arquipélago.

O JPP – com o secretário-geral, Élvio Sousa, a acompanhar Carlos Furtado -, o Livre (José Azevedo), a CDU (Rui Teixeira), o PAN (Pedro Neves) e a IL (Nuno Barata) vão estar também nas ruas, em especial no concelho de Ponta Delgada.

A coligação PSD/CDS-PP/PPM, o PS, o BE, o PAN, o Chega, a CDU (PCP/PEV), o Livre e o ADN concorrem em todos os círculos, enquanto a IL se apresenta em oito e o JPP, estreante nos Açores, em seis.

Em 2020, o PS venceu, mas perdeu a maioria absoluta, surgindo a coligação pós-eleitoral de direita, suportada por uma maioria de 29 deputados após assinar acordos de incidência parlamentar com o Chega e a IL (que o rompeu em 2023). PS, BE e PAN tiveram, no total, 28 mandatos.