O porta-voz do Livre considerou hoje que o PSD “não está a dizer a verdade toda” em relação à maneira como encara a política de alianças e pede clareza, porque as pessoas quando vão votar “precisam de saber”.

“A direita, e em particular o PSD, não nos está a dizer a verdade toda em relação à maneira como encaram a política de alianças, que é uma coisa fundamental em qualquer sociedade desenvolvida”, disse hoje Rui Tavares.

O dirigente do Livre falava aos jornalistas em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, à margem de um encontro com a Associação para a Promoção e Proteção Ambiental dos Açores, realizada nos jardins da Universidade, no âmbito da campanha para as eleições legislativas regionais, que decorrem no domingo.

Segundo Rui Tavares, “o natural, não é haver maiorias absolutas”, mas sim “política de alianças”.

“Se nos dizem uma coisa na região, se nos dizem outra coisa a nível nacional e se Luís Montenegro [presidente do PSD] diz que ‘bem, há princípios que eu admito que possam ser diferentes’, peço desculpa. Os princípios dos partidos estão nos seus estatutos e nas suas cartas de princípios”.

E prosseguiu: “Os [princípios] do PSD, que eu até já li, até já li quando André Ventura foi candidato pelo PSD em Loures, e qualquer pessoa que leia a Carta de Princípios do PSD, e se lembre do que André Ventura dizia na altura, como candidato do PSD, percebia uma coisa, ‘não batia a bota com a perdigota’”.

“Aquelas palavras, aqueles discursos, não eram os que estavam enquadrados pelos princípios do PSD, que é um partido que é nosso adversário político, mas que respeitamos como um partido importante na democracia portuguesa. Ora, como é que os princípios mudam entre a região e o nacional? Onde é que estão a pensar dar o dito por não dito? É aqui ou é na República como um todo? E as pessoas quando vão votar precisam de saber”, afirmou.

Rui Tavares lembrou que o Livre fala com clareza e diz, por exemplo, que se houver uma maioria à esquerda, será “parte da solução”, e se houver uma maioria à direita, será “parte da oposição”.

“É necessária essa clareza, ainda para mais, de partidos que tencionam liderar governo ou regional ou nacional. Se não, é porque se estão a preparar para dar o dito por não dito em algum lugar, e isso, não é só o problema de enganar as pessoas, é que traz instabilidade a seguir, porque nunca serão soluções legitimadas”, observou.

Tavares também referiu que o que se vê é “praticamente uma canibalização constante entre os partidos da direita, [que] querem devorar-se uns aos outros”.

“Seria de enorme incerteza qualquer governo sair dessa solução, porque não duraria muito tempo, porque, neste momento, a direita portuguesa, tanto ao nível regional como nacional, está numa situação de autofagia”, alertou.

Considerou ainda “bastante intrigante” ver que a direita, tanto regional como nacional, “aparentemente com grande tranquilidade”, dizer que “conversará com a extrema direita, que basicamente quer destruir o papel e o lugar da direita tradicional em Portugal e devorá-la”.

“É um bocadinho estranho ver a aparente satisfação e tranquilidade com que querem negociar acordos de governo com aqueles que apenas os querem destruir”, rematou.

Para o porta-voz do Livre “vale a pena” votar no partido nos Açores, porque uma voz ou várias vozes no Parlamento regional significam “uma nova maneira de fazer política pela prática, mais do que pela narrativa”.

Onze candidaturas concorrem às legislativas regionais nos Açores: PSD/CDS-PP/PPM (coligação que governa a região atualmente), ADN, CDU (PCP/PEV), PAN, Alternativa 21 (MPT/Aliança), IL, Chega, BE, PS, JPP e Livre.