Vasco Cordeiro frisou que é “necessário reforçar as acessibilidades aéreas” e “aumentar a notoriedade da nossa Região, de todas as nossas ilhas”, de forma a “suscitar um aumento de procura”, que contribua para o crescimento do mercado turístico, na Região.

O candidato a Presidente do Governo Regional falava após reunir com o com o Núcleo da ilha Terceira da Associação de Alojamento Local, em Angra do Heroísmo.

“Neste momento há seis ilhas da nossa Região que, em novembro de 2023 face a novembro de 2022, registam números negativos em termos de número de dormidas”, sublinhou, realçando que esse decréscimo não é alheio à redução da presença da Ryanair na Região.

Vasco Cordeiro lembrou que o Governo Regional “fez um acordo de pagar 4,2 milhões de euros, em dois anos, à Ryanair, colocando a ênfase na questão do número de lugares”, mas esquecendo outras questões fundamentais.

“Este Governo da coligação PSD/CDS/PPM esqueceu um dos aspetos fundamentais, que é a presença dos Açores na rede de comercialização da Ryanair. Essa é uma diferença fundamental relativamente aquilo que o PS faria”, assegurou o socialista.

Vasco Cordeiro salientou, ainda, que o PS irá apresentar, na Assembleia Legislativa Regional, uma proposta para isentar o alojamento local nos Açores da contribuição extraordinária sobre o alojamento local.

Relativamente às eleições Regionais do próximo dia 4 de fevereiro, Vasco Cordeiro evidenciou que “há já um acordo entre a coligação do PPM, do CDS e do PSD com o Chega, para chegarem ao Governo”.

“Isso coloca as coisas de forma particularmente claras no próximo dia 4 de fevereiro. Quem quiser ter o Chega no Governo Regional, vota na coligação PSD/CDS/PPM. Quem achar que o Chega não deve integrar o Governo Regional dos Açores, deve votar no Partido Socialista”, salientou o candidato a Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro.