O secretário-geral do PSD/Açores, Luís Pereira, condenou hoje as “mentiras descaradas” do vice-presidente do PS/Açores, Berto Messias, sobre o apoio à comunicação social privada, lembrando que a proposta de Plano e Orçamento para 2024 do Governo da Coligação PSD/CDS/PPM previa uma verba de 1,5 milhões de euros para o setor.

“As mentiras descaradas de Berto Messias visam tentar disfarçar o facto de o PS/Açores ter votado contra um Orçamento com uma verba de 1,5 milhões de euros destinada a apoiar os órgãos de comunicação social privados do arquipélago. Este era o valor mais elevado de sempre para o setor e o triplo do atribuído pelo anterior governo. A comunicação social açoriana foi, objetivamente, prejudicada pelo chumbo do Plano e Orçamento para 2024. Além disso, o PS/Açores foi contra o novo modelo de apoio que estava a ser trabalhado entre o Governo e os agentes do setor”, afirmou.

O dirigente social-democrata lembrou que Berto Messias “não tem autoridade moral e política para falar sobre os apoios à comunicação social privada, dado o seu histórico de desdém para com o setor”.

“Enquanto membro do anterior governo com a tutela da comunicação social, Berto Messias foi responsável por aplicar o mecanismo dos rateios nos apoios ao setor. Em 2017, por exemplo, o governo do PS/Açores decidiu fazer um corte de 50% nos apoios à difusão. É politicamente indecente vir agora criticar quem está fazer mais e melhor pelo setor”, apontou.

Segundo Luís Pereira, “os governos socialistas gastavam cerca de um milhão de euros por ano em assessorias de comunicação e imagem, ao mesmo tempo que cortavam nos apoios à comunicação social privada dos Açores”.

“Os governos do PS tinham um gabinete de propaganda constituído por cerca de 30 pessoas, mais do que qualquer redação dos órgãos de comunicação social privados dos Açores. Foi o Governo da Coligação PSD/CDS/PPM que extinguiu esse gabinete de propaganda e aumentou os apoios à comunicação social privada”, concluiu.