O cabeça de lista da Coligação PSD/CDS/PPM pelo Faial, Luís Garcia, saudou ontem a evolução das obras de construção do Centro de Alojamento Temporário, promovidas pela Santa Casa Misericórdia da Horta com o apoio do Governo Regional.

Luís Garcia falava à margem da visita à Santa Casa da Misericórdia da Horta, acompanhado dos candidatos da Coligação PSD/CDS/PPM pelo círculo do Faial às eleições legislativas regionais de 4 de fevereiro de 2024.

“Verificamos com agrado que a obra do Centro de Alojamento Temporário, que criará uma resposta de emergência social para 16 pessoas carenciadas, esteja a decorrer com normalidade”, afirmou, destacando que o equipamento social será financiado pelo Governo da Coligação “que está atento às necessidades mais prementes a nível social na ilha, desde a primeira hora”.

Nesse sentido, o candidato fez questão de salientar também que “reconhece o papel e a importância social e económica desta instituição secular que emprega mais de 200 colaboradores, disponibilizando valências de apoio aos idosos, crianças e pessoas portadoras de deficiência”.

De entre os projetos e dificuldades apresentados pela Santa Casa da Misericórdia da Horta, Luís Garcia manifestou-se “particularmente preocupado com a falta de mão de obra, para o qual requer encontrar uma solução”.

O cabeça de lista da Coligação PSD/CDS/PPM do Faial apontou ainda a “necessidade da construção de instalações para o Centro de Atividades para a Capacidade e para a Inclusão e Lar Residencial, que funcionam atualmente num pré-fabricado, desde o sismo de 1998, sem que a governação socialista tivesse feito qualquer intervenção”.

Mais uma vez, foi o Governo da Coligação que “atendeu ao problema que afeta a instituição há cerca de duas décadas, por via da cedência de um terreno para este investimento, que se encontra em fase de elaboração de projetos”, frisou.

Luís Garcia realçou o trabalho do Executivo Regional desenvolvido em parceria com a Santa Casa da Misericórdia da Horta nos últimos três anos, comprometendo-se “em manter a disponibilidade e o apoio em relação ao futuro”, concluiu.