O líder do Chega/Açores, José Pacheco, votou hoje de manhã na Ribeira Chã, concelho da Lagoa, para as legislativas regionais, apelando à participação dos eleitores e desejando a vitória da “pluralidade da democracia”.

“Hoje o povo deposita o voto em urna e diz o que precisa de nós, de cada partido. E eu espero que a pluralidade da democracia continue a vencer. Sou um grande defensor disto, que várias forças democráticas possam estar na assembleia regional”, disse aos jornalistas.

Pelas 10:00, o também cabeça de lista pelos círculos de São Miguel e da Compensação, que hoje celebra o seu aniversário, votou na única mesa da freguesia, onde estão inscritos 373 eleitores.

Este, referiu, não é um dia de falar de partidos, mas de democracia e de participação eleitoral: “Depois não há grande legitimidade, quando não se vota, para vir reclamar. As pessoas têm que perceber que têm de votar, têm que exercer o seu direito de voto, seja em branco, seja nulo, seja no partido que quiserem”.

Questionado sobre o tempo para eventuais conversações sobre acordos pós-eleitorais, à noite, José Pacheco sublinhou que hoje é dia de apurar resultados e remeteu qualquer negociação para a partir de segunda-feira.

Cerca de 230 mil eleitores são hoje chamados a votar para escolher os 57 deputados na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, naquelas que são as primeiras eleições regionais antecipadas na história da autonomia do arquipélago.

De acordo com os resultados das legislativas regionais, o representante da República nomeia depois o presidente do Governo Regional, que, por sua vez, propõe os membros do executivo.

As urnas abriram às 08:00 e fecham às 19:00 locais (mais uma hora em Lisboa).

Nos Açores, há 10 círculos eleitorais, nove coincidentes com cada uma das ilhas (Flores, Corvo, São Jorge, Faial, Pico, Graciosa, Terceira, São Miguel e Santa Maria) e outro de compensação (que junta os votos que não permitiram eleger deputados nos círculos de ilha).

Onze candidaturas concorrem às legislativas açorianas: PSD/CDS-PP/PPM (coligação que governa a região atualmente), ADN, CDU (PCP/PEV), PAN, Alternativa 21 (MPT/Aliança), IL, Chega, BE, PS, JPP e Livre.

O Presidente da República decidiu dissolver o parlamento açoriano e marcar eleições antecipadas para 04 de fevereiro após o chumbo do Orçamento para este ano.