O coordenador da Iniciativa Liberal (IL) nos Açores e candidato às eleições legislativas regionais, Nuno Barata, garantiu hoje que não quer privar as ilhas de Santa Maria, Faial e Pico das obrigações de serviço público nas ligações ao continente.

“Foi transmitido erradamente o rumor de que a Iniciativa Liberal defendia a privatização da Azores Airlines, privando os açorianos de Santa Maria, Pico e Faial das obrigações de serviço público. Isto não é verdade, o que nós defendemos é a privatização da Azores Airlines, precisamente para proteger a região do custo anual dos prejuízos da Azores Airlines e para proteger a própria SATA Air Açores da contaminação possível”, afirmou, em declarações à Lusa, por telefone.

Nuno Barata, deputado único da IL nos Açores e cabeça de lista pelos círculos eleitorais de São Miguel e da compensação nas eleições regionais, que se realizam no domingo, está hoje em campanha na ilha de Santa Maria, uma das três do arquipélago com ligações aéreas ao continente em rotas não liberalizadas, asseguradas atualmente pela companhia aérea pública Azores Airlines, do grupo SATA.

Em 2020, o PS venceu as eleições na região, mas perdeu a maioria absoluta. PSD, CDS-PP e PPM formaram governo, numa coligação pós-eleitoral, com acordos de incidência parlamentar com Chega e Iniciativa Liberal.

A IL, que rasgou o acordo em março de 2023 e votou contra o orçamento para 2024, que acabou por ser chumbado, levando o Presidente da República a dissolver o parlamento e a convocar eleições antecipadas, tem insistido na necessidade de a Azores Airlines ser privatizada.

O candidato liberal defendeu, no entanto, que a privatização da Azores Airlines “não deixa de fora a possibilidade” de a SATA Air Açores, a outra companhia do grupo, que atualmente efetua apenas as ligações aéreas interilhas, com aeronaves de menor dimensão, “concorrer às obrigações de serviço público, adequando a sua frota”.

“A SATA Air Açores em nada fica impedida de reestruturar a sua frota, até porque vai precisar de o fazer num curto espaço de tempo, por causa da vetusta idade da atual frota, e pode adequar a sua frota a essas obrigações de serviço público, sejam elas remuneradas pelo Estado ou não”, salientou.

Segundo Nuno Barata, atualmente, a Azores Airlines “presta um mau serviço, por exemplo no Pico e no Faial, e não cumpre muitas vezes com essas populações porque tem uma aeronave desadequada às pistas”, o que tem levado algumas forças vivas locais a exigir o prolongamento das pistas dos aeroportos, quando “há soluções técnicas de aeronaves mais adequadas”.

“O que para nós é incomportável e está demonstrado, aliás há declarações do dr. Vasco Cordeiro [líder do PS/Açores e ex-presidente do Governo Regional] em 2016 sobre essa matéria, é que a SATA Internacional [Azores Airlines] não é viável e não é suportável por uma região pobre com a nossa dimensão”, vincou.

Em Santa Maria, Nuno Barata visitou a zona portuária e de náutica de recreio, defendendo que a invernagem de embarcações de recreio, “que tem lotação completamente esgotada”, é “um excelente exemplo”, que deve ser replicado na ilha Terceira, a única “com potencial para crescer nessa área de negócios”.

Onze candidaturas concorrem às legislativas regionais nos Açores: PSD/CDS-PP/PPM, ADN, CDU (PCP/PEV), PAN, Alternativa 21 (MPT/Aliança), IL, Chega, BE, PS, JPP e Livre.