O cabeça de lista da CDU pelo círculo do Pico às eleições legislativas regionais dos Açores, Paulo Correia, defendeu hoje um reforço dos transportes coletivos terrestres na ilha, considerando que são escassos e com horários desadequados.

“A CDU defende, no âmbito da mobilidade para a ilha do Pico, um reforço do transporte terrestre, que é escasso em termos de carreiras, com horários desadequados”, afirmou à agência Lusa Paulo Correia.

O candidato propõe o aumento do “número de carreiras em toda a ilha”, assim como a adequação dos horários “às pessoas que trabalham e que têm de ter ligações entre os três concelhos [Madalena, Lajes do Pico e São Roque do Pico] e o terminal marítimo da Madalena”, dado que muitas “trabalham na ilha vizinha do Faial”.

“A necessidade de existir uma ligação terrestre, através de carreira rodoviária, entre os três concelhos e o aeroporto do Pico” é outra medida apresentada por Paulo Correia, assinalando ser “essencial que o acesso não seja restrito aos carros de aluguer e a táxis, e que sirva a população residente através de uma carreira com horários adequados aos voos”.

Segundo o cabeça de lista, a medida permitiria a “intermodalidade entre aeroporto e porto de passageiros marítimo da Madalena”, para que o Pico seja uma “alternativa séria ao aeroporto do Faial” e seja “um ‘mini hub’ para servir as três ilhas do Triângulo [Pico, São Jorge e Faial]”.

Paulo Correia adiantou que, na ilha do Pico, “a mobilidade terrestre tem estado entregue, praticamente, a uma empresa privada”, aos táxis e a empresários individuais.

“De resto, quem quer deslocar-se dentro da ilha é obrigado a utilizar transporte particular, o que deixa uma pegada ecológica imensa”, declarou, notando que “isso é prejudicial à qualidade de vida dos residentes e de quem” visita a ilha.

Já o coordenador regional do PCP/Açores, Marco Varela, acrescentou que a CDU, coligação que integra também o Partido Ecologista Os Verdes, quer a “aquisição de duas embarcações para a região que funcionem todo o ano e que sejam um misto de passageiros e de carga”.

Além do reforço dos transportes públicos terrestres, Marco Varela apontou ainda a necessidade de ir ao encontro “das justas reivindicações dos trabalhadores que fazem a ligação marítima entre o Pico e o Faial todo o ano”, diminuindo o valor do passe, para, “no máximo, ter um valor de 60 euros”.

O Presidente da República decidiu dissolver o parlamento açoriano e marcar eleições antecipadas para 04 de fevereiro após o chumbo do Orçamento para este ano. Onze candidaturas concorrem às legislativas regionais, com 57 lugares em disputa no hemiciclo: PSD/CDS-PP/PPM (coligação que governa a região atualmente), ADN, CDU (PCP/PEV), PAN, Alternativa 21 (MPT/Aliança), IL, Chega, BE, PS, JPP e Livre.

Em 2020, o PS venceu, mas perdeu a maioria absoluta, surgindo a coligação pós-eleitoral de direita, suportada por uma maioria de 29 deputados após assinar acordos de incidência parlamentar com o Chega e a IL (que o rompeu em 2023). PS, BE e PAN tiveram, no total, 28 mandatos.

O círculo do Pico, com 13.808 eleitores, elege quatro deputados nestas eleições, disputados por nove forças políticas.

Nas eleições regionais de 2020, PS e PSD dividiram os mandatos.