Sem deixar de passar em frente ao Palácio de Sant’Ana, centenas de bombeiros,de corporações de oito ilhas dos Açores, percorreram as ruas da cidade de Ponta Delgada.
As sirenes da União dos Bombeiros dos Açores ouviram-se. Os bombeiros estão em luta e protestam contra a inoperância dos sucessivos governos regionais em responder às suas reivindicações.

Dignidade da sua classe, atualização remuneratória, subsídio de risco e o Estatuto de Bombeiro Profissional, algo que já existe na Madeira e que o Governo Regional teima em arranjar argumentos para não aplicar nos Açores.

Entre tantas viagens e reuniões com o Presidente do Governo Regional da Madeira, Bolieiro não teve 5 minutos para perceber junto do seu homólogo como resolver a situação dos seus bombeiros? Na verdade, Bolieiro estava concentrado em defender os Vistos Gold, retirando ainda mais casas às pessoas residentes na nossa região, do que em resolver os problemas dos Açores.

Ao longo dos três anos de governação de direita, a coligação, que vinha para alterar paradigmas, transformar a região, permitir estabilidade às pessoas e devolver a centralidade do parlamento, pouco executou daquilo que era aprovado em Assembleia Regional.

Os bombeiros é mais uma das classes que se sente lesada pelo não cumprimento por parte do Governo Regional, pois em 2021 foram aprovados o subsídio de risco e o Estatuto de Bombeiro Profissional sem quetenham sido postos em prática pelo executivo açoriano.

Por outro lado, a nossa região tem um número acentuado de Associações Coletivas, que, de uma forma geral, padecem de um problema que poderá ditar o fim de algumas atividades socioculturais. Recordo que estas associações têm um papel fundamental nas nossas comunidades. Algumas são verdadeiras escolas de música através das suas filarmónicas, são os seus salões que se enchem para receber milhares de pessoas pelo Carnaval e servem aos convívios intergeracionais. São pontos de encontro e de confraternização.

Nos últimos tempos, assistimos à dificuldade que estas associações sentem para agregar pessoas para a constituição de listas que assegurem o funcionamento dessas coletividades.
Estas pessoas desempenham um papel importante na nossa comunidade, prescindindo do seu tempo particular para manter estas associações abertas, em que a sua vida familiar e social é afetada pelo tempo despendido em prol das coletividades que representam e que servem.

O BE valoriza o dirigente voluntário, não apenas pelo trabalho desenvolvido, mas também pelos constrangimentos pessoais, familiares e profissionais que tem e pelo tempo que dispensa ao serviço do bem social.

O BE leva as Associações, os Bombeiros e os dirigentes voluntários a sério. Como tal, terá propostas que respondam às dificuldades das associações, dos bombeiros e dos dirigentes voluntários. Propostas que visem facilitar o pagamento das contas mensais das associações, para a valorização dos bombeiros e para os dirigentes voluntários.