A Marinha Portuguesa coordenou, na quinta-feira, a sul da ilha de São Miguel, nos Açores, o resgate de quatro tripulantes da embarcação a remos “Margaret 2”, que participava na regata transatlântica “World toughest Row”, foi hoje anunciado.

Segundo um comunicado de imprensa, a Marinha Portuguesa coordenou o resgate através do Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada (MRCC Delgada), em articulação com o Centro de Orientação de Doentes Urgentes no Mar (CODU-MAR), após receber um alerta que dava conta que a embarcação a remos se encontrava a navegar a 1.200 milhas náuticas (cerca de 2.200 quilómetros), a sul da ilha de são Miguel.

De acordo com a nota, o MRCC Delgada recebeu o alerta, na quinta-feira, às 12:27 locais (13:27 em Lisboa), através do sistema Cospas-Sarsat (um programa internacional de busca e salvamento que utiliza satélites para detetar e localizar sinais de emergência).

“Em contacto com a organização da regata foi dada a informação que um dos tripulantes apresentava sintomas de possível ataque cardíaco, tendo vindo a falecer minutos depois”, referiu a Marinha.

O navio graneleiro “Charles”, de pavilhão Liberiano, “que se encontrava a navegar a 70 milhas náuticas, cerca de 129 quilómetros, a sul da embarcação em dificuldades, foi ativado para prestar auxílio, tendo concluído, por volta das 22:18, com sucesso, o resgate dos três tripulantes vivos e do corpo do quarto tripulante”, acrescentou.

Após a operação, o navio prosseguiu viagem para o seu porto de destino, na Noruega.

Na ação de busca e salvamento estiveram envolvidos o MRCC Delgada, o CODU MAR e o navio mercante “Charles”.

Segundo a Marinha, o sistema COSPAS-SARSAT “é um programa internacional de busca e salvamento que utiliza satélites para detetar e localizar sinais de emergência transmitidos por radiobalizas de localização de emergência (ELTs), radiobalizas de localização de emergência de aeronaves (EPIRBs) e radiobalizas de localização pessoal (PLBs)”.

“O sinal COSPAS-SARSAT refere-se ao sinal de rádio de emergência transmitido por essas balizas. Quando uma pessoa ou uma embarcação está em perigo, ela pode acionar a radiobaliza, que emite um sinal de socorro. Os satélites COSPAS-SARSAT em órbita recebem esses sinais e retransmitem para os centros, que coordenam as operações de busca e salvamento”, explicou.

Ainda de acordo com a fonte, os sinais COSPAS-SARSAT “são cruciais para ajudar a localizar e resgatar pessoas em situações de emergência, especialmente em áreas remotas, onde a comunicação convencional pode ser limitada”.