A candidatura única de Carlos César para presidente do PS é subscrita pelo primeiro-ministro cessante, António Costa, pelo conselheiro de Estado Manuel Alegre e pelo presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva.

Encabeçada pelo novo secretário-geral socialista, Pedro Nuno Santos, e também assinada pelo candidato derrotado à liderança deste partido, José Luís Carneiro, a proposta de recondução de Carlos César nas funções de presidente do PS será votada pelos cerca de 1600 congressistas a partir da tarde sexta-feira, até às 10:00 de sábado – o segundo de três dias do 24º Congresso Nacional, que se realiza na Feira Internacional de Lisboa (FIL).

Entre os apoiantes da recandidatura do presidente do Governo Regional dos Açores entre 1996 e 2012, estão o secretário-geral adjunto, João Torres, o antigo comissário europeu António Vitorino, a sua antecessora na presidência do PS, Maria de Belém, e o líder da Federação da Área Urbana de Lisboa, Duarte Cordeiro.

Fazem parte também desta lista de subscritores, à qual a agência Lusa teve acesso, o fundador do PS Arons de Carvalho, o antigo dirigente e ministro Alberto Martins, e a presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, Luísa Salgueiro.

Do Governo de António Costa, entre outros membros, subscreveram os ministros Mariana Vieira da Silva, Ana Catarina Mendes e Fernando Medina. De destacar, também, as presenças nessa lista do presidente do Conselho Económico e Social, Francisco Assis, e do antigo presidente da Câmara de Lisboa João Soares.

Carlos César é ainda apoiado pelo seu sucessor na presidência do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, que se candidata novamente a esse cargo nas eleições regionais de fevereiro, e pelo eurodeputado socialista Pedro Silva Pereira.

O presidente do PS eleito fará o discurso de fundo perante o congresso na manhã de sábado, antes da apresentação das três moções de orientação política concorrentes: de Pedro Nuno Santos, José Luís Carneiro e Daniel Adrião.