A Iniciativa Liberal (IL) vai concorrer em sete círculos eleitorais nas regionais antecipadas de 04 de fevereiro nos Açores, tendo sido aprovado o nome do atual deputado Nuno Barata como cabeça de lista na ilha de São Miguel.

A informação foi avançada hoje à agência Lusa pelo atual deputado e dirigente regional do partido, Nuno Barata, que será também o primeiro candidato pelo Círculo Regional de Compensação (que reúne os votos que não foram aproveitados para a eleição de parlamentares nos círculos de ilha).

Nuno Barata adiantou ainda à Lusa que a IL vai concorrer “em sete círculos eleitorais, à exceção das Flores e Corvo”, tendo acrescentado que as listas foram “aprovadas, na quarta-feira, em conselho nacional” do partido.

“O objetivo é manter a representação e, se possível, crescer para grupo parlamentar”, sublinhou à Lusa Nuno Barata, gestor portuário de profissão, 57 anos.

Nas eleições regionais açorianas existe um círculo por cada uma das nove ilhas (São Miguel, Terceira, Faial, Pico, São Jorge, Graciosa, Santa Maria, Flores e Corvo) e um círculo regional de compensação, reunindo os votos que não foram aproveitados para a eleição de parlamentares nos círculos de ilha.

Os Açores vão a votos em 04 de fevereiro de 2024, após a dissolução da Assembleia Legislativa Regional pelo Presidente da República, devido ao chumbo do Orçamento para o próximo ano.

Além da IL, já foram anunciadas candidaturas às eleições regionais açorianas da coligação PSD/CDS/PPM, que governou as ilhas nos últimos três anos, e de cinco partidos – PS, Pessoas Animais-Natureza (PAN), Chega, Bloco de Esquerda (BE) e Juntos pelo Povo (JPP).

As eleições regionais nos Açores irão realizar-se cinco semanas antes das legislativas antecipadas anunciadas para 10 de março do próximo ano.

O Governo de coligação (PSD/CDS-PP/PPM) nos Açores, chefiado por José Manuel Bolieiro, deixou de ter apoio parlamentar maioritário desde que um dos dois deputados eleitos pelo Chega se tornou independente e o deputado da Iniciativa Liberal rompeu com o acordo de incidência parlamentar, em março.

O executivo de José Manuel Bolieiro manteve um acordo de incidência parlamentar com o agora deputado único do Chega no parlamento açoriano.