O candidato a secretário-geral socialista José Luís Carneiro afirmou hoje que o seu dever é “estar disponível para o PS” e declarou que tem a intenção de ainda falar esta noite na sede nacional do partido, no largo do Rato, em Lisboa.

“Tenho intenção de fazer uma declaração no largo do Rato, vou antes disso articular-me com as outras candidaturas, hoje mesmo, depois de conhecermos os resultados porque os nossos camaradas ainda estão a votar, nomeadamente nos Açores, ainda estão a ser contabilizados votos na Madeira”, afirmou José Luís Carneiro, à chegada a um hotel no centro de Lisboa, onde está a aguardar pelos resultados das diretas do PS.

José Luís Carneiro chegou pelas 20:30 ao hotel em que estavam os elementos da sua candidatura, acompanhado da família, tendo sido ladeado por alguns apoiantes presentes, como o ex-ministro José António Vieira da Silva, o secretário de Estado André Moz Caldas ou a deputada Jamila Madeira, e deixou uma “palavra de gratidão” aos que o acompanharam na campanha interna socialista.

“Eu estou preparado para declarar aquilo que é o meu dever, que é estar disponível para o PS, para os seus valores, para os seus princípios e com esses valores e princípios contribuir para servir Portugal. Esse é o dever de todos nós, independentemente dos resultados que se obtêm em cada um dos momentos eleitorais”, considerou o ainda ministro da Administração Interna do governo de António Costa.

Questionado sobre se gostaria de continuar a exercer funções governativas caso o PS vença as eleições legislativas antecipadas de março, Carneiro respondeu que gosta de servir os seus valores e os seus princípios.

“Devemos ver nos cargos públicos um sentido de serviço público e, portanto, independentemente da função que temos momentaneamente no desempenho dessas funções, devemos fazê-lo com o mesmo empenhamento, estando numa autarquia de freguesia ou estando num cargo ministerial”, frisou.

Carneiro considerou que “o país deseja previsibilidade, deseja estabilidade, para poder manter a sua confiança nas instituições”

“E no que depender da nossa candidatura, de mim, dos que me acompanham, o país e o PS sabe que contará com atitudes e comportamentos de serviço ao nosso país porque esse é o nosso primeiro e mais importante compromisso”, sublinhou.

Questionado sobre como encara um possível regresso do antigo líder socialista António José Seguro à atividade política ativa, Carneiro – que apoiou Seguro nas diretas do PS de 2014 – respondeu: “Ele bem sabe que eu terei muito gosto que ele esteja na vida política e partidária”.

“Assim como António Costa que também queremos muito que ele continue a dar o seu contributo à vida do país, independentemente de serem funções nacionais ou internacionais”, salientou.

Entretanto, chegaram ao hotel o antigo ministro e deputado Luís Capoulas Santos e o líder parlamentar do PS, Eurico Brilhante Dias.

O PS comunicou que os primeiros resultados eleitorais das diretas seriam divulgados pelas 23:30, na sede nacional, pelo presidente da Comissão Organizadora do Congresso (COC), Pedro do Carmo.