O PSD/Açores considerou hoje que o PS “falta à verdade” quando diz que não existe plano de amortização das dívidas à Associação Nacional de Farmácias, indicando que desde 2021 foram feitos pagamentos de 88,6 milhões de euros.

“É falso que não haja pagamentos às farmácias por parte do Serviço Regional de Saúde. Desde o início de 2021, já foram pagos 88,6 milhões de euros. Só nos três primeiros trimestres de 2023, foram pagos mais de 27 milhões”, afirmou hoje o deputado do PSD/Açores António Vasco Viveiros citado num comunicado do partido.

Na sexta-feira, o PS/Açores lamentou que o Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) não tenha, a curto prazo, “qualquer plano para amortizar” a dívida à Associação Nacional de Farmácias, que em julho já ascendia “a 26 milhões de euros”.

Na resposta ao PS, António Vasco Viveiros refere que os números “desmentem as falsas acusações” e que o partido “falta à verdade quando diz que não existe um plano de amortização”.

Segundo o parlamentar social-democrata, o anterior Governo socialista “deixou uma dívida de 11,5 milhões de euros às farmácias, que estava escondida nas contas da extinta empresa pública Saudaçor”.

“Foi o atual Governo da coligação PSD/CDS-PP/PPM que pagou essa dívida deixada pelo PS, como tem pagado muitas outras dívidas deixadas pelos governos socialistas”, sublinhou.

António Vasco Viveiros esclarece que o aumento da despesa do Serviço Regional de Saúde com a prescrição de medicamentos resulta do “grande crescimento no número de consultas”.

“Com o Governo da coligação, o Serviço Regional de Saúde fez, só em 2022, cerca de 419 mil consultas, o que representa um aumento de 50 mil face a 2019. Deste grande crescimento no número de consultas resultou um aumento da despesa com medicamentos, sempre em benefício dos utentes dos Açores”, salientou o social-democrata.

O PS/Açores lamentou na sexta-feira que o Governo Regional não tenha, a curto prazo, “qualquer plano para amortizar” a dívida à Associação Nacional de Farmácias, que em julho já ascendia “a 26 milhões de euros”.

“Em outubro, no plenário do Parlamento dos Açores, questionámos diretamente a secretária Regional da Saúde sobre a dívida às farmácias, mas não tivemos qualquer resposta”, referiu o deputado do PS/Açores Tiago Lopes, citado numa nota de imprensa divulgada pelo partido.

Segundo o parlamentar, no final de julho deste ano a dívida já ascendia “a 26 milhões de euros”, mas o Governo Regional “não possui, no curto prazo, qualquer plano para amortizar” o valor.

Para o deputado do PS/Açores, a “dívida recorde” do executivo açoriano à Associação Nacional de Farmácias “é um reflexo da gestão ruinosa do Governo de [José Manuel] Bolieiro”, nos últimos três anos, considerando que é “imperativo parar com esta má gestão”.

“O incumprimento reiterado dos pagamentos por parte do Governo pode levar à interrupção do fornecimento de medicamentos aos açorianos”, o que “representaria um grave retrocesso nos cuidados de saúde na Região”, alertou.