Hoje vamos falar sobre o inhame e a fertilidade Em Portugal, o inhame é um alimento muito comum na alimentação dos Açorianos.

Os solos vulcânicos e húmidos são propícios ao seu desenvolvimento nos terrenos de cultivo.

Devido à atividade vulcânica, os inhames cultivados nos solos em que os lençóis de água são quentes, tornam os inhames muito mais macios do que aqueles cultivados em zonas lamacentas.

Antigamente o inhame era um alimento muito utilizado para substituir o pão ou a batata e assim saciar a fome.

Atualmente, o inhame mantém-se à mesa dos açorianos e existem várias receitas em que é utilizado como ingrediente principal, em opções doces a salgadas.

O inhame é um excelente hidrato de carbono, rico em vitamina C e vitaminas do complexo B. As vitaminas B3 e B6 tem função ao nível dos neurotransmissores e equilibro das hormonas femininas contribuindo para redução do stress e melhorando a implantação do embirão.

É um alimento fundamental para a ‘dieta da fertilidade’. O inhame é importante para regular o transito intestinal que normalmente está comprometido na endometriose; tem índice glicémico baixo o que ajuda no controlo dos níveis de açúcar no sangue, importante para mulheres com Síndrome do ovário poliquistico.

Em termos de saúde feminina o inhame diminui os sintomas de TPM e menopausa. Uma excelente dica para mulheres com problemas de fertilidade, o consumo do inhame deve ser durante todo o ciclo menstrual porque possui um fito esteroide designado de diosgenina, que estimula a produção de hormonas sexuais femininas e aumentam a hipótese da mulher engravidar.

Grata pela sua atenção e relembro: Os Alimentos são para Todos os dias.

E a sua Saúde? Viva Bem… Coma melhor!

Até para a semana!