A Cooperativa de Produtos Agropecuários de Santa Maria espera uma quebra na produção de meloa devido ao mau tempo que se fez sentir na ilha açoriana e teve um “efeito pernicioso” no cultivo.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Agromariensecoop – Cooperativa de Produtos Agropecuários da Ilha de Santa Maria, Duarte Moreira, realçou que as condições meteorológicas registadas em Santa Maria durante a primavera e no mês de julho “não corresponderam às necessidades da meloa”, produto com a classificação de Indicação Geográfica Protegida (IGP).

Segundo o dirigente, a tempestade Óscar, que afetou o grupo Oriental do arquipélago, em 06 de junho, provocou “vários prejuízos” aos agricultores que se viram a braços com “plantas inundadas e doentes”.

“A tempestade que assolou [as ilhas de] Santa Maria e São Miguel teve um efeito pernicioso nas culturas de meloa, porque atrasou toda a produção. Para além dos estragos que provocou, levou muitos agricultores a substituírem plantas, o que fez com que o início da campanha atrasasse”, adiantou Duarte Moreira.

O presidente da Agromariensecoop assinalou que as condições atmosféricas adversas fizeram com que os primeiros frutos da campanha “não tivessem a doçura característica da meloa de Santa Maria”.

“Agora temos vindo a recuperar bem. A temperatura aumentou. Deixou de chover. Nesta fase está estabilizada. Estamos a receber muitas toneladas por dia na cooperativa, na casa das três e quatro toneladas, e a meloa já se encontra de excelente qualidade”, salientou.

A expectativa é que a campanha, que começou em julho e termina em setembro, atinja as 80 ou 90 toneladas, “caso o tempo permita”, tratando-se de um número inferior a 2022, quando a produção da cooperativa chegou às 105 toneladas.

“Estamos a prever chegar às 80 ou 90 toneladas de meloa este ano. Já tivemos anos de 120 e 125 toneladas, mas este ano vai haver uma quebra apesar de termos um pouco mais de área plantada”, disse.

Este ano existem cinco produtores a entregar meloa na cooperativa, abrangendo cerca de sete hectares, uma área que em “condições ideais” permitia produzir 130 toneladas.

Desde 2015 que a meloa cultivada na ilha açoriana de Santa Maria foi classificada com IGP pela Comissão Europeia.

Reconhecida pelo elevado teor de vitamina C, muito superior à média das meloas comuns, a meloa de Santa Maria, produzida ao ar livre em solos ricos em potássio, está, habitualmente, no mercado entre julho e setembro.