Na próxima semana, durante a campanha eleitoral, o PCP completará 103 anos. É uma coincidência feliz, pelo contributo decisivo para a Liberdade e a Democracia abertas com a Revolução de Abril! Pelo papel decisivo e corajoso no combate ao fascismo, à repressão, à pobreza e à guerra colonial, que beneficiaram, durante 48 anos, os 6 grandes grupos económicos que se julgavam donos do País.

Foi o único partido que assumiu sempre as dificílimas condições de luta contra a ditadura. Milhares dos seus militantes foram assassinados, presos ou barbaramente torturados. E não haja dúvidas: se voltássemos à velha ditadura, lá estariam os comunistas a combatê-la de novo – algo que muito irrita alguns, com saudades desse tempo de má memória, mas sem a coragem para o assumir.

Mas o PCP continua a marcar a diferença. Saliento três aspetos. Não apresenta promessas vazias, apresenta compromissos, e são todos cumpridos. Neste mandato de maioria absoluta, bem como no anterior de maioria relativa, o chumbo das suas propostas é da exclusiva responsabilidade do PS e de toda a direita, numa autêntica coligação negativa. O segundo aspeto é que os seus eleitos não são beneficiados, porque mantém os mesmos rendimentos que tinham na sua profissão. E isto explica outro facto que merecia maior divulgação por parte da comunicação social: é que não há um único caso de corrupção entre os eleitos da CDU, precisamente porque o que os move não é o interesse pessoal, mas sim o compromisso com o Povo, o País e os Trabalhadores!

Também as propostas do PCP e da CDU mostram bem a diferença e a falta que fazem. Apresentámos 30 medidas urgentes para uma vida melhor, que constroem uma política verdadeiramente alternativa. Destaco cinco: o aumento de todos os salários em 150€ e das pensões em 70€, no mínimo; as 35h de trabalho para todos, sejam do público ou do privado; a dinamização da negociação entre empresas e sindicatos e a reposição do tratamento mais favorável ao trabalhador; trabalho com direitos, em vez de mais exploração e desigualdades; e a reforma, por inteiro, aos 40 anos de descontos, independentemente da idade.

Como demonstra a história recente do país, como demonstram estes 103 anos de experiência e luta, quanto mais força tiver o PCP e a CDU, melhor estará a nossa vida!

E é por tudo isto e muito mais que o voto útil é na CDU!