Ponta Delgada, Açores, 08 fev 2024 (Lusa) – O presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, afirmou hoje que a redução da taxa de abandono escolar precoce na região em 2023, de 26,1% para 21,7%, resulta das políticas desenvolvidas pelo seu executivo.

“Este é o resultado das políticas assumidas pelo XIII Governo dos Açores, que, pela primeira vez, passou a acompanhar individualmente cada aluno que se encontra em situação de abandono precoce”, referiu o social-democrata, que lidera o Governo Regional desde o final de 2020, citado numa nota.

A taxa de abandono precoce da educação e formação em Portugal aumentou no ano passado para 8%, face aos 6,5% do ano anterior, quebrando-se a tendência gradual de diminuição que se verificava desde 2017, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Apenas os alunos dos Açores mantiveram a tendência de diminuição da taxa, que desceu 4,4 pontos percentuais.

O executivo das ilhas (PSD/CDS-PP/PPM, coligação que venceu as legislativas regionais de domingo) recorda que a taxa de abandono precoce na educação e formação é registada pelo INE desde 2011 e que desde então este é o valor mais baixo.

Nesta década, a taxa do arquipélago passou de 27% em 2020 para 23,2% no ano seguinte. Em 2022 houve um novo aumento, para 26,5%.

“Em 2021 vimos a primeira descida, depois de cinco anos de profunda estagnação, e agora vemos a segunda, e bastante significativa”, afirmou José Manuel Bolieiro, sublinhando estar em causa “um número histórico”.

O governante valorizou o trabalho das secretárias regionais da Educação, Sofia Ribeiro, e da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego, Maria João Carreiro.

A taxa de abandono escolar permite identificar a percentagem de jovens dos 18 aos 24 anos que não concluiu o ensino secundário, nem se encontra a frequentar qualquer modalidade de educação e formação.

A União Europeia estabeleceu como meta para 2030 uma taxa abaixo dos 9%.