Gualter Furtado

No dia 5 de fevereiro de 2024, o Diário dos Açores completa a bonita idade de 154 anos o que constitui para o jornal, para os jornalistas, para a Direção do jornal, para os colaboradores, para os leitores e para os acionistas, um motivo de alegria por tão longo percurso, nem sempre isento de dificuldades, e algumas bem pesadas.

Nestes últimos três séculos, os Açores constituem um exemplo notável a nível nacional e mundial na criação de jornais, numa extraordinária trajetória de resiliência que, certamente, constitui um laboratório para os estudiosos da área da comunicação social. Devemos ser uma das Regiões do mundo que mais títulos de jornais criou e que mais tempo resistiram aos desafios do tempo, aos ciclos de vida dos seus diferentes acionistas, bem como às diferentes crises económicas e financeiras.

Em papel e online, um jornal como o Diário dos Açores cumpre, quotidianamente, com as funções de informar os seus leitores, de formar e promover a pluralidade dos artigos de opinião, e de praticar um rumo editorial independente. Em síntese, serve o propósito de serviço público, ainda que os seus acionistas sejam privados.

Este 154.º aniversário do Diário dos Açores está a ser vivido num contexto nacional difícil, a que não é alheia a crise instalada no Grupo Global Média, proprietário de vários títulos de referência como são o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias, o Jogo, a TSF, e o nosso – também centenário – Açoriano Oriental. Às graves consequências para jornalistas e colaboradores daqueles títulos, a nível regional somam-se outras dificuldades assumidas por vários jornais, de que é exemplo a recente a suspensão em papel do jornal Incentivo do Faial.

A todas as empresas, sejam privadas ou públicas, e incluindo as dos Açores, devem ser exigidas boas práticas de gestão independentemente do setor de atividade em que atuam, da mesma forma que os seus gestores devem ser avaliados e responsabilizados pelos resultados obtidos. Tal constatação não impede, porém, que se também devam reconhecer como absolutamente indesmentíveis os desafios e constrangimentos específicos dos Açores, decorrentes da sua pequena economia insular, dispersa, afastada do continente português e dos principais centros europeus. Estas condicionantes da Região Autónoma dos Açores – transpostas no texto da Constituição da República Português, e na atribuição do Estatuto de Região Ultraperiférica no contexto das Regiões da União Europeia – fundamentam medidas específicas e programas especiais de apoio aos custos da insularidade e de apoio à coesão social e territorial.

Aceita-se por isso que, considerando as especificidades transversais a todos os setores de atividade e empresas nos açores, bem como o papel informativo e formativo que os Órgãos de Comunicação Social (OCS) independentes e de qualidade cumprem nas sociedades democráticas, que estes possam ter um tratamento discriminatório positivo, desde que transparente e que não provoque efeitos perversos. Ainda assim, não deixamos de afirmar que nem sempre é fácil definir as fronteiras da independência e da qualidade, nem de como e com que critérios estas são aferidas. É, portanto, fundamental que se assuma que este é um terreno difícil e permeável a alguma demagogia, que, no nosso caso, só pode ser ultrapassado com decisões democráticas com origem nos Órgãos de Governo Próprio dos Açores, sob pena de termos efeitos perversos que não interessam às empresas e à própria Autonomia.

Medidas de apoio à formação profissional dos jornalistas e colaboradores dos OCS, modernização dos equipamentos e até à própria distribuição destes Órgãos de Informação, parecem colher um amplo consenso. Já outras iniciativas carecem de esclarecimentos, fundamentação e de igual consenso.

Finalmente, o meu reiterado apreço e parabéns pela forma independente e ativa como o Paulo Viveiros e o Osvaldo Cabral tem sabido conduzir o Diário dos Açores, fazendo Votos para que o jornal tenha uma longa vida num ambiente independente, democrático e autonómico.

Certamente que os Parceiros Sociais dos Açores e todos os membros do Conselho Económico e Social dos Açores (CESA) se associam a estes meus Votos, até porque o Diário dos Açores é uma manifestação de referência da nossa Sociedade Civil que importa preservar e valorizar.