O PS/Açores perdeu hoje pela primeira vez, desde 1996, as eleições legislativas regionais, ao eleger 23 deputados, quando a coligação PSD/CDS-PP/PPM elegeu 26 parlamentares da Assembleia Legislativa.

Nas eleições antecipadas para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, hoje realizadas, a coligação PSD/CDS-PP/PPM elegeu 26 dos 57 deputados, ficando a três da maioria absoluta, enquanto o PS obteve 23 mandatos.

O Chega conseguiu eleger cinco deputados, e o Bloco de Esquerda, a Iniciativa Liberal e o PAN elegeram um deputado cada.

O PS vencia as eleições legislativas regionais nos Açores desde 13 de outubro de 1996, ano em que foi eleito, sem maioria absoluta, Carlos César, que interrompeu então um ciclo vitorioso do PSD de Mota Amaral desde as primeiras eleições regionais (em 08 de setembro de 1976).

O PS/Açores venceu as eleições em 2020, embora não tenha conseguido governar porque perdeu a maioria absoluta, surgindo a coligação pós-eleitoral de direita, suportada por uma maioria de 29 deputados após assinar acordos de incidência parlamentar com o Chega e a IL (que o rompeu em 2023). PS, BE e PAN tiveram, no total, 28 mandatos.

O PS tinha uma maioria absoluta desde 2000, renovada nos escrutínios de 2004, 2008, 2012 e ainda em 2016, ano em que obteve 30 mandatos.

Vasco Cordeiro, o atual líder do PS/Açores, sucedeu a Carlos César e foi eleito presidente do Governo regional pela primeira vez em 06 de novembro de 2012.