O Sporting de Braga qualificou-se hoje pela quinta vez para a final da Taça da Liga de futebol, ao vencer o Sporting, por 1-0, graças a um golo do espanhol Abel Ruiz.

Em Leiria, o avançado espanhol marcou o único golo da partida, aos 65 minutos, permitindo ao Sporting de Braga chegar pela quinta vez ao jogo decisivo, no qual vai tentar o terceiro título, depois de 2012/13 e 2019/20.

Depois de afastarem o Sporting, os bracarenses vão defrontar na final de sábado o Benfica, recordista de títulos, com sete triunfos, ou o Estoril Praia, estreante nas meias-finais, que se defrontam na quarta-feira, igualmente em Leiria.

COMENTÁRIO: Sporting de Braga capitaliza desperdício do Sporting para chegar à final

O Sporting de Braga aproveitou hoje uma das poucas ocasiões de golo para chegar à final da Taça da Liga de futebol, em Leiria, onde o domínio do Sporting parou nos ‘ferros’ da baliza minhota.

O suplente Abel Ruiz decidiu a primeira meia-final da competição, com um golpe de cabeça, aos 65 minutos, surpreendendo a defesa do Sporting, que, depois de mais de uma hora de produção ofensiva e ineficácia, não conseguiu reagir e anular a desvantagem.

Na sua nona meia-final, o Sporting de Braga assegurou a quinta presença no encontro decisivo, para tentar o seu terceiro troféu, no sábado, também em Leiria, frente a Benfica ou Estoril Praia, que se defrontam na quarta-feira.

O Sporting de Braga sofreu e soube sofrer para chegar com felicidade à final, face a um domínio acentuado do Sporting, que apresentou como novidades apenas o guarda-redes Franco Israel, este como meia novidade já revelada na véspera pelo treinador Rúben Amorim, e o avançado Marcus Edwards, no lugar de Paulinho.

Já o treinador bracarense, Artur Jorge, retirou do último ‘onze’ Ruiz, que viria a ser decisivo, para reforçar o meio-campo com Pizzi, o jogador que cedeu durante o jogo o lugar ao avançado espanhol.

Na primeira parte, os ‘leões’ foram claramente dominadores, mas esta supremacia embateu nos postes e na trave da baliza minhota, por três vezes, com as tentativas de Nuno Santos, duas vezes, e Pedro Gonçalves, do ‘meio da rua’.

Até tinha sido dos minhotos o primeiro avanço, com a arrancada de Zalazar, na direita, aos dois minutos, para Pizzi se antecipar à defensiva ‘leonina’ e desviar, de calcanhar, para defesa fácil de Israel.

O Sporting de Braga só por duas vezes voltou à área ‘verde e branca’, na primeira parte, com Hjulmand a ‘roubar’ a bola a Álvaro Djaló, aos 20, quando o espanhol se preparava para ‘assaltar’ a baliza ‘leonina’, e, aos 34, com o remate de Zalazar, a tentar reeditar os dois disparos bem-sucedidos na casa do Benfica.

O resto do primeiro tempo foi desperdício do Sporting, desde o ‘passe’ de Trincão para as mãos de Matheus, logo aos 11, a anteceder o ‘tiro’ de Pedro Gonçalves, aos 13, de meio do meio-campo bracarense, para o poste da baliza nortenha.

Este lance teve o efeito de despertar os adeptos ‘leoninos’, em clara maioria no recinto leiriense, sendo apenas o primeiro de uma mão cheia de oportunidades claras de golo para os comandados de Rúben Amorim.

Aos 23, Trincão permitiu nova defesa de Matheus, após cruzamento para a entrada da área de Nuno Santos, que voltaria a assistir pouco depois, aos 29, mas para Pedro Gonçalves também falhar o ‘alvo’.

O ala esquerdo acertou depois na trave da baliza ‘arsenalista’, num potente remate, após um canto na direita, aos 37, antes de, perto do intervalo, atirar, de trivela, ao poste esquerdo da baliza de Matheus.

Pelo meio, o central Eduardo Quaresma aproveitou o ‘espaço’ aberto por Gyökeres, bem ‘ofuscado’ pelos defesas bracarenses, para entrar na área e arriscar um ‘tiro’, mas ao lado.

A segunda parte começou com o mesmo desperdício ‘leonino’, com Pedro Gonçalves, Nuno Santos e, agora, também Gyökeres a falharem o ‘alvo’, até que o Sporting de Braga deu uma lição de eficácia.

Ruiz, cinco minutos depois de substituir Pizzi, marcou o golo da meia-final, aos 65, antecipando-se de cabeça aos centrais do Sporting, após cruzamento na direita de Ricardo Horta.

O Sporting e Franco Israel ‘tremeram’ com a desvantagem e ofereceram nova ocasião aos minhotos, com o guarda-redes a colocar a bola nos pés de Ruiz, que assistiu Djaló, para este rematar à baliza ‘leonina’, valendo a ‘defesa’, no limite da legalidade, de Matheus Reis.

O golo virou mesmo o encontro e desanimou os ‘leões’, valendo, por duas vezes, aos 75, Israel a opor-se ao ‘tiro’ de Victor Gomez, de fora da área, e também à recarga de Horta, à ‘queima-roupa’.

Trincão, Pedro Gonçalves e Hjulmand ainda tentaram remediar, com remates desesperados à baliza minhota, sem que conseguissem evitar quarta derrota da época ao Sporting, a terceira nas competições nacionais, depois dos desaires com Benfica e Vitória de Guimarães, para a I Liga, falhando a oportunidade de chegar ao quinto título na Taça da Liga – o que seria o 10.º para Rúben Amorim.