A Atlânticoline lançou hoje um concurso público para a construção de dois navios elétricos, no valor de 25 milhões de euros, que deverão integrar a operação nas ilhas do Triângulo, nos Açores, em 2026, foi hoje anunciado.

Os navios, que irão transportar passageiros e viaturas, deverão operar no canal Horta/Madalena e no canal Velas/São Roque e serão movidos inteiramente a energia elétrica, segundo a empresa, que tenciona que as embarcações integrem a operação da empresa em 2026.

Segundo a empresa pública, o preço base é de 25 milhões de euros para os dois navios e as candidaturas poderão ser entregues até 14 de fevereiro de 2024.

A construção dos dois navios elétricos tem como objetivo “descarbonizar a operação da empresa no Triângulo”, sublinha a Atlânticoline.

“Trata-se de um concurso limitado por prévia qualificação, com publicidade internacional, que tem por objeto a escolha da proposta que servirá de base à outorga de um contrato para a construção de dois navios elétricos, destinados ao transporte de passageiros e viaturas na Região Autónoma dos Açores”, segundo explica ainda a operadora marítima, numa nota de imprensa.

Além das construções, certificações, homologações e aprestamentos dos navios, o contrato abrange a realização e desenvolvimento dos projetos, ensaios e testes.

Atualmente, a frota própria da Atlânticoline é composta por cinco embarcações: a lancha Ariel, com capacidade para 12 passageiros, os navios Cruzeiro das Ilhas e Cruzeiro do Canal, com capacidade para 191 passageiros, e os ferries Mestre Jaime Feijó e Gilberto Mariano, cujas capacidades são, respetivamente, 333 passageiros/13 viaturas e 296 passageiros/10 viaturas.