O presidente do Governo dos Açores apelou hoje, na mensagem de Natal, “à participação responsável e lúcida, exercida em liberdade”, sublinhando que em 2024 todos serão chamados para “a definição política do futuro coletivo” como açorianos, portugueses e europeus.

“Todos seremos chamados a contribuir para a definição política do nosso futuro coletivo, como açorianos, como portugueses e como europeus. Ninguém se devia abster porque todos têm o direito e o dever de participar. Porque todos precisamos uns dos outros”, sublinhou José Manuel Bolieiro numa mensagem divulgada pelo executivo açoriano (PSD/CDS-PP/PPM).

O chefe do executivo açoriano sublinhou que 2024 será um “ano de desafios e oportunidades”, um “ano de participação e de decisão” e um ano “de responsabilidades e atitudes”, com as eleições regionais antecipadas, legislativas e europeias.

“Pelo seu e nosso presente, pelo futuro de todos nós, dirijo um abraço amigo a todas as famílias. Estejam elas na nossa terra ou na diáspora que, mesmo fisicamente distante das nossas ilhas, têm presente, em cada tradição, em cada memória compartilhada, os Açores e os nossos valores e princípios – 2024 apela a todos estes valores, mas também chama todos à participação responsável e lúcida, exercida em liberdade”, vincou José Manuel Bolieiro (PSD).

O presidente açoriano em gestão defendeu ainda que “a cooperação, a estabilidade e a paz são indispensáveis ao progresso e desenvolvimento da nossa terra, do nosso país, da União Europeia e do mundo”.

Por outro lado, o presidente do Governo dos Açores realçou que o Natal “é a festa da família, de amor, união, carinho e amizade”, mas é também uma época de reflexão e de partilha dos “valores fundamentais para a nossa vivência em comunidade”.

José Manuel Bolieiro considerou que “o mundo, como nunca, desafia agora, com mais exigência”, à “resiliência”, apelando “à procura do bem comum” contra “o egoísmo”.

O presidente do Governo açoriano apelou ainda “à capacidade de união e de apoio entre todos”, que nesta quadra se deve destacar, sobretudo junto daqueles que “estão mais vulneráveis, transformando a nossa responsabilidade, o nosso amor ao próximo e os nossos compromissos em alicerces sólidos e concretos do nosso dia a dia em comunidade”.

“Do Natal, não devemos esperar apenas a celebração. O Natal é oportunidade de inspiração para a partilha de momentos significativos, não só com aqueles que amamos, mas também com aqueles que necessitam de nós”, vincou.

Na sua mensagem de Natal, realçou ainda os momentos de tradição e de fé e de riqueza cultural nos Açores, que “nos dão a nossa identidade, de que tanto nos orgulhamos”.

José Manuel Bolieiro pediu, também, aos açorianos para que se inspirem no espírito do Natal e valorizem “ainda mais a açorianidade, que nos enriquece”.

E “deixarmos que o espírito altruísta desta época nos inspire nos nossos gestos de bondade e de solidariedade” e que “a fibra resiliente e laboriosa, que herdámos dos povoadores das nossas ilhas, seja a nossa inspiração ao abraçarmos os desafios modernos”, acrescentou.

José Manuel Bolieiro disse que “a criação de progresso é muito mais do que um simples objetivo do pensamento” e tem de ser fruto de um trabalho coletivo.

“Os desafios globais estão também na nossa vida aqui nos Açores. Testam a nossa resiliência e as nossas capacidades mais do que nunca. Recomendo a cada um de nós uma séria autoavaliação. Avaliação às nossas forças e oportunidades. Avaliação às nossas fraquezas e ameaças. Tudo para, com ponderação, estarmos melhor preparados para participar, intervir e decidir. Sermos justos connosco próprios e com os outros”, sustentou.