Carlos Silva, membro do Secretariado Regional do PS/Açores, lamentou, esta terça-feira, que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 tenha sido, na Região, inferior à média nacional, o que releva “a incapacidade do Governo Regional do PSD/CDS-PP/PPM em cumprir o que prometeu aos Açorianos”.

“Ainda há um mês, o Governo Regional estimava, no Orçamento, que o PIB nominal de 2022 atingisse os 5.446,6 milhões de euros. Hoje ficamos a saber que o valor nominal do PIB ficou aquém do estimado em 337 milhões de euros, o que confirma mais uma vez a falta de credibilidade do documento”, afirmou.

Para o dirigente socialista, a economia regional ficou condicionada pelo decréscimo do valor acrescentado bruto (VAB) da agricultura, silvicultura e pesca (-2,6%), apesar dos bons indicadores do turismo na Região.

Neste sentido, há uma inversão do verificado nos anos anteriores, nomeadamente em 2021, em que o PIB real da Região Autónoma dos Açores beneficiou do crescimento do VAB do ramo da agricultura, silvicultura e pesca (6,2%).

“Estes números demonstram bem o desinvestimento do Governo da coligação na agricultura, na silvicultura e na pesca, áreas de extrema relevância para a estrutura produtiva da Região.

Ao invés, o Governo da coligação tornou a economia mais dependente do Turismo, com todas as desvantagens e perigos que isto acarreta, desde a sazonalidade e a volatilidade da atividade, ao nível de qualificação e de remuneração inerentes a este setor”.

Os dados agora divulgados pelo INE confirmam “o insucesso das políticas económicas do Governo da coligação”, uma vez que a economia regional divergiu da média nacional em 2022.

“É fundamental que a Região tenha uma economia diversificada e robusta, que aposte em setores emergentes, mas não descure setores tradicionais como a agricultura e pescas”.