Os farmacêuticos do Hospital do Divino Espírito Santo (HDES) de Ponta Delgada, nos Açores, apresentaram declarações de exclusão de responsabilidade por falta de condições de trabalho, disse hoje à agência Lusa a delegada regional da Ordem.

“Treze farmacêuticos, que são a totalidade dos farmacêuticos em pleno exercício de funções no HDES, apresentaram a escusa de responsabilidade”, alegando “falta de recursos humanos que põem em causa a sua atividade diária”, adiantou a delegada Regional nos Açores da Ordem dos Farmacêuticos (OF), Juliana Matos.

Segundo a representante, os farmacêuticos também apontam “carências e falta de intervenções nos recursos físicos existentes e a degradação dos que [o HDES] já tem, e que condicionam o bom exercício farmacêutico”.

Juliana Matos adiantou estar em causa a resolução de questões que “já são reportadas há algum tempo pela direção dos serviços farmacêuticos e que, até agora, não tiveram ‘feedback’, nem nenhuma resolução, pelo Conselho de Administração” do hospital.

Os farmacêuticos enviaram um ofício à administração e à secretária Regional da Saúde e, de acordo com a delegada regional da OF, “aguardam-se informações acerca de eventuais prazos” para resolução das questões que estão na origem da situação.

Em comunicado, a OF informou que recebeu declarações de exclusão de responsabilidade assinadas por todos os farmacêuticos em exercício nos Serviços Farmacêuticos do HDES, por considerarem que “a qualidade e a segurança dos atos farmacêuticos” praticados nesta unidade do Serviço Regional de Saúde dos Açores “estão comprometidas”.

Os profissionais denunciam “carências de recursos humanos e a degradação de recursos materiais” que aumentam “riscos de contaminação” e “ocorrência de erros”, colocando em causa o cumprimento das boas práticas em farmácia hospitalar.

Até agora, a OF recebeu 210 escusas de responsabilidade de 16 estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), “alegando falta de condições materiais e de recursos humanos para desenvolver a sua atividade com a qualidade e a segurança que o acesso a uma tecnologia de saúde requer”.

Sobre a situação verificada no HDES, o deputado do PS/Açores Tiago Lopes considerou, em comunicado, que reflete a “atual carência de condições para os profissionais de saúde do Serviço Regional de Saúde”.

“A razão para esses pedidos advém da falta de recursos humanos, bem como da degradação das condições materiais dos serviços, fruto da inação governativa ao longo dos últimos três anos”, acrescentou.

Na opinião do socialista, o Serviço Regional de Saúde “precisa urgentemente de recuperar e adquirir as condições necessárias para a prestação de cuidados de saúde com a devida segurança e qualidade”.