O lugar de São Lourenço, em Santa Maria, Açores, “está sem acesso à rede de abastecimento de água”, devido a “um pequeno deslizamento de terra” causado pelo mau tempo, e duas vias “continuam interditas ao trânsito”, disse hoje fonte autárquica.

No sábado a presidente da Câmara de Vila do Porto, Bárbara Chaves (PS), decretou a situação de alerta municipal devido ao agravamento do mau tempo e aos estragos causados pela chuva, que obrigou ao realojamento de quatro pessoas e provocou “danos em 10 habitações”, em viaturas, em vias regionais e municipais e em infraestruturas na rede de abastecimento de água.

Fonte da autarquia adiantou hoje à agência Lusa que, “no domingo, ao final da noite, um pequeno deslizamento de terras, no lugar de São Lourenço, provocou uma rotura na rede de abastecimento de água”.

Segundo a mesma fonte, o acesso à rede de abastecimento de água naquela zona deverá ser reposto “durante o dia de hoje”.

A mesma fonte disse ainda que “continuam interditas ao trânsito” a estrada regional de acesso à baía da Maia e o Caminho Municipal de Almagrinha, ambas na freguesia de Santo Espírito, estando em curso trabalhos de limpeza das vias.

Quanto às quatro pessoas que ficaram desalojadas devido ao mau tempo, dois turistas, na freguesia de Santa Bárbara, estão instalados numa unidade hoteleira e o casal de residentes, na freguesia de Almagreira, foi realojado pelos serviços do Instituto da Segurança Social dos Açores (ISSA) numa habitação, “onde continuam”.

A fonte adiantou ainda à Lusa que a situação de alerta municipal decretada no sábado “será reavaliada hoje”.

Fonte do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) revelou à Lusa que, entre domingo e as 09:00 locais (10:00 em Lisboa) de hoje foram registadas 18 ocorrências, devido ao mau tempo em seis das nove ilhas açorianas.

As situações ocorreram na Terceira (8), São Miguel (3), Pico (2), Santa Maria (2), Faial (2) e São Jorge (1).

Estas ocorrências estiveram relacionadas com “a queda de árvores e de estruturas, danos em infraestruturas, derrocadas e uma inundação de uma habitação” e “não há registo de vítimas”, acrescentou.

Nos locais, para apoio e resolução das diversas situações, têm estado bombeiros e a Direção Regional das Obras Públicas e Serviços Municipais de Proteção Civil, sob a coordenação do SRPCBA.