Sou Noélia Arruda, nutricionista e hoje vamos falar sobre grávidas felizes e bebés saudáveis

Se a alimentação molda toda a nossa vida, seria inevitável que os hábitos alimentares não tivessem um papel absolutamente preponderante durante uma das fases mais complexas da vida de uma mulher: A Gravidez. Em 2016 pensei em escrever um pequeno e-book sobre gravidez para ser entregue nas minhas consultas, pois acredito que nesta fase da vida em que tudo o que as mulheres ingerem deve alimentar e nutrir o bebé. É cada vez mais importante não só os cuidados alimentares que se deve ter, como também o apoio de outros profissionais como enfermeiros, psicólogos e até o personal trainer, para que a grávida tenha uma gravidez feliz e saudável. Foi isso que transmiti em alguns capítulos do meu Livro “O Manual para a Fertilidade, Gravidez e Amamentação” lançado em abril de 2021!

A nutrição e a alimentação é muito gratificante quando começámos a perceber que as mulheres com um acompanhamento nutricional têm gravidezes muito mais tranquilas, implementam estratégias para que não aumentem mais que o peso recomendado, fazem relatos de partos que mais fáceis, apresentam níveis de diabetes gestacional mais controladas, atenuam o risco de pré-eclampsia, melhoram o crescimento intrauterino quando se diagnostica bebes pequenos para a idade gestacional e no fundo são grávidas mais felizes!

A gravidez está normalmente associada a uma série de privações alimentares. Temos que ter alguns cuidados alimentares para não haver infeções, contaminação por bactérias. Comer alimentos crus pode provocar alterações a nível da placenta e do bebé que devem ser evitadas. Mas por exemplo, as necessidades do bebé no primeiro trimestre são diferentes da do segundo trimestre. Na fase inicial da multiplicação celular, requer necessidades nutricionais específicas, mas também qualidade de sono, atividade física, suplementação específica para que depois de implantado no útero, o bebé possa crescer. No segundo e terceiro trimestre há crescimento e ganho de peso, mais para o bebé, menos para a grávida. Só que muitas vezes, os descontrolos alimentares que as grávidas sentem têm a ver com alguma carência que não está a ser diagnosticada…. O bebé absorve os nutrientes para colmatar as suas necessidades — e a alimentação da mãe tem que fornecer os alimentos ricos em nutrientes para superar as necessidades dos dois. O bebé, no segundo trimestre, por exemplo, vai crescer muito a nível ósseo. Se não houver uma alimentação rica em cálcio, o bebé vai retirar da mãe e a mãe pode vir a sofrer de osteoporose no futuro.

Portanto, ter uma alimentação cuidada é tão importante para o bebé como para mãe.

A natureza é muito sábia. O bebé está em carência e os nutrientes não vão deixar de ir para ele para que não falte à mãe: vai mesmo tudo para o bebé. A mãe é que vai ter que trabalhar para ter uma alimentação adequada para poder dar todos os nutrientes e também para que não lhe faltem os seus. As grávidas que vão às consultas costumam dizer que alguém lhe disse uma coisa, outros lhe dizem outra, tudo mitos. Cada gravidez é diferente e o meu livro “O Manual para a Fertilidade, Gravidez e Amamentação” serve para isso, não só para informar mas para formar, para que a grávida possa ter consciência do que é verdade e do que é mentira e ficar mais segura das suas escolhas.

Grata pela sua atenção e relembro: Os Alimentos são para Todos os dias. E a sua Saúde? Viva Bem… Coma melhor!

Até para a semana!