O PS de São Miguel alertou hoje para a situação de “dezenas de famílias” com crianças sem vagas nas creches, afirmando que a gratuidade de frequência aumentou os inscritos, mas sem um trabalho preparatório para reforçar a oferta.

“Ao longo das últimas semanas, temos vindo a ser alertados por muitos pais que se queixam por não ter soluções. São famílias que já inscreveram os seus filhos em diversas creches e que aguardam há meses por uma resposta que não chega”, refere o secretário coordenador dos socialistas micaelenses, André Franqueira Rodrigues.

Numa nota de imprensa, os socialistas recordam que a gratuidade de frequência das creches causou um aumento do número de inscritos que pretendem vaga sem que, por outro lado, tivesse sido realizado “o necessário trabalho preparatório para reforçar efetivamente a oferta disponível”.

“Numa região com uma curva demográfica descendente, a ausência de resposta e a falta de soluções não constituem propriamente um incentivo à natalidade”, defende André Franqueira Rodrigues, citado na nota de imprensa.

O dirigente partidário refere que as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPPS), elementos que “têm vindo a realizar um trabalho muito meritório”, já estão, “na esmagadora maioria dos casos, muito pressionadas”.

“O que precisam é que o Governo não complique, que desburocratize processos e procedimentos de forma a permitir às IPSS fazerem cabalmente o trabalho para o qual são contratadas através dos Contratos de Cooperação com o ISSA”, sublinha o secretário coordenador do PS São Miguel, que defende o urgente reforço das verbas para aquelas instituições e, em alguns casos, agilizar a construção de novas salas.

Embora não seja possível “resolver, de uma vez só, todos os problemas e constrangimentos”, o PS de São Miguel considera ser necessário o reforço dos recursos humanos, por forma “a evitar a tentação de aumentar, desproporcionalmente, o número de crianças por sala”, o que comporta “riscos quer para a segurança, quer para qualidade do acompanhamento e do ensino individualizado”.

“Temos consciência de que a falta de vagas não é uma realidade nova, por isso é que no nosso programa eleitoral, em 2020, havia o compromisso de disponibilizar mais 600 vagas em creches e jardins-de-infância, sobretudo em São Miguel”, apontam os socialistas da maior ilha açoriana.

No entender do PS de São Miguel, o Governo Regional, de coligação PSD/CDS-PP/PPM, precisa “de se queixar menos do passado e agir mais no presente para oferecer soluções às famílias que estão em listas de espera”.

“É isto que todos esperamos, que o Governo pague a tempo e horas, que se foque no trabalho que lhe compete e deixe de arranjar desculpas”, sustenta André Franqueira Rodrigues.