Patrícia Miranda, Deputada do PS/A na ALRAA

Até 2020, a Agricultura nos Açores sofreu uma evolução muito significativa, onde passámos de uma agricultura de “sacho na mão” para uma agricultura mais moderna, mais organizada e mais eficiente.

Até 2020, a Agricultura Açoriana convergia, em todos os setores, desde o leite, a carne, as hortícolas, as frutas, as flores, o mel, o vinho e as florestas.

A Agricultura convergia, a passo e passo, para aquelas que eram as ambições de quem produzia e na busca incansável do seu rendimento justo.

Muito foi feito, mas, tenho plena consciência que muito mais há ainda a fazer!

Em Agricultura não há verdades absolutas: sabemos que a realidade de hoje pode não ser a realidade de amanhã, mas falar de agricultura, por mais vontade que haja em falar no passado, FALAR DE AGRICULTURA é falar do presente, pensando no futuro.

A Agricultura atravessa uma crise que teima em persistir, com o disparar do preço dos custos de produção, com o aumento das taxas de juro e da energia, a falta de mão de obra, o desacreditar dos jovens no setor e as mais recentes diminuições do preço do produto final, quer no leite, quer na carne.

Hoje, mais do que nunca, é tempo de agir. É tempo de refletir sobre as políticas adotadas. Assegurando e protegendo todos aqueles que dedicam os seus dias e o seu tempo a um dos setores mais importantes da nossa economia.

É no presente que se ajuda, para que amanhã ainda possa haver agricultores!

Fazem falta aos Agricultores todos os investimentos que não foram realizados, todos os fundos que não estão a ser executados por este Governo de coligação, todos os apoios que ainda não foram pagos e fazem falta aos Agricultores todos os apoios, que a bem da nossa agricultura e do seu futuro, possam ser desenvolvidos!

Nesse sentido, cabe ao Governo Regional dos Açores colocar a nossa Autonomia ao serviço dos açorianos, ao serviço da Agricultura, ao serviço dos nossos Agricultores.

Passo a explicar…

Os cofres da região contam com 140 milhões de euros de receitas fiscais a mais, resultantes da inflação. Só de IVA, em 2022, este Governo arrecadou mais 53 milhões de euros do que era esperado.

Quanto mais as famílias e as empresas açorianas pagam, quanto mais os Agricultores pagam mais o Governo Regional recebe!

O que se espera é que este Governo de coligação, estivesse capaz de devolver, por direito, parte dessas verbas, através de apoios robustos e eficazes.

Infelizmente, não é isso que tem acontecido, nem o que irá acontecer!

Há uma recusa evidente e um adiamento obvio, deste Governo, em criar apoios e em pagar os que já havia prometido.

Se o Governo Regional tem mais dinheiro à sua disposição, e não ajuda os Agricultores Açorianos é porque não quer ou porque, de alguma forma, está impedido de o fazer, por má gestão do dinheiro publico e por más decisões políticas.

Na passada sexta-feira, os partidos que compõem e suportam este Governo, PSD, CDS, PPM, CHEGA, IL e PAN, chumbaram proposta do PS para apoiar os Agricultores Açorianos.

Os Agricultores Açorianos precisam de estabilidade, de esperança e de confiança. E de um Governo que lhes permita acreditar no futuro.

Só assim, os nossos Agricultores, os que são e os que querem vir a ser, poderão ter vontade de avançar e sentir que ali mesmo está o futuro.

Mas com este Governo de coligação, mais preocupado em garantir a sua sobrevivência política, os nossos Agricultores estão a ficar para trás. Os nossos Agricultores, com este Governo, estão entregues à sua sorte.