A Câmara de Ponta Delgada, nos Açores, vai construir “56 novas habitações na freguesia da Fajã de Baixo, já a partir do próximo ano”, num investimento de 7,1 milhões de euros, revelou hoje a autarquia num comunicado.

Este anúncio resulta de uma visita oficial feita na terça-feira pelo presidente da Câmara, Pedro Nascimento Cabral (PSD), à freguesia da Fajã de Baixo, no concelho de Ponta Delgada, ilha de São Miguel.

“No âmbito do planeamento e candidaturas ao Programa 1º Direito e ao Programa de Recuperação e Resiliência [PRR], tivemos o cuidado de garantir na Fajã de Baixo a construção de mais de meia centena de habitações, precisamente para fazer face às necessidades habitacionais identificadas nesta tão importante freguesia de Ponta Delgada”, explicou Pedro Nascimento Cabral, citado na nota de imprensa.

O 1.º Direito é um programa de apoio público que visa garantir condições de acesso a uma habitação adequada a pessoas em situação precária e de insalubridade e que não dispõem de capacidade financeira para aceder a uma solução habitacional adequada.

Citado na nota do município, Pedro Nascimento Cabral destacou a oportunidade do investimento em projetos habitacionais que permitem “colmatar uma necessidade que é transversal a todo o concelho”.

Na visita àquela freguesia, o autarca de Ponta Delgada anunciou que a Câmara Municipal vai avançar com obras de requalificação no exterior da Casa do Povo e também na EB1/ JI Professor Dr. Alexandre Linhares Furtado, bem como criar uma nova bolsa de estacionamento e zona verde nas imediações do Centro Cultural e Educacional de Fajã de Baixo – Francisco Faria.

“Tudo isto são projetos-base e estruturantes que não invalidam a possibilidade de novas intervenções que se entendam precisas e venham a ser concertadas e articuladas com a Junta de Freguesia da Fajã de Baixo”, assegurou o presidente do município.

Citado na nota de imprensa, o presidente da Junta de Freguesia da Fajã de Baixo, António Luís Moniz dos Anjos, considerou que o investimento anunciado no parque habitacional da freguesia representa “um impacto enorme” e responde aos anseios da população.

“Semanalmente, recebo telefonemas a solicitar habitação – quer casa, quer apartamento – e não há (…). Isto vem aliviar o ‘stress’ por que atravessam os nossos jovens casais – ainda a viver em casa de pais e de sogros – e também aquele que é o confronto com a realidade do dia-a-dia por falta de habitação própria”, disse o presidente da Junta de Freguesia da Fajã de Baixo.

A autarquia adianta, ainda, que a estratégia do município para o setor da Habitação “já garantiu, no presente, um investimento de 40 milhões de euros”, a executar a partir de 2024, com “a construção de 184 novas moradias no concelho”.

A deslocação do presidente do município à Fajã de Baixo decorreu no âmbito do programa de visitas oficiais às 24 freguesias do concelho para “reforçar a proximidade entre eleitos e eleitores” e promover “a coesão social e territorial”.