A treinadora açoriana, de 35 anos, começou pelos escalões de formação, orientou a equipa B e há duas épocas assumiu a equipa principal, que levou no ano passado à conquista da Taça de Portugal e da Supertaça.

Após a cerimónia de assinatura, em declarações à Sporting TV, Mariana Cabral agradeceu “o voto de confiança” e reconheceu a “exigência muito alta” em um clube “que é muito grande”.

“A época não foi aquilo que nós desejávamos que fosse, mas nós acreditamos muito, o clube também acredita e acho que essa sintonia de vontades vai continuar a fazer com que todos possamos crescer juntos”, disse a treinadora.

Confiante no “crescimento do projeto”, Mariana Cabral prosseguiu: “Sabemos quais são os pontos fortes e pontos fracos, aquilo que temos de melhorar e onde o projeto precisa de evoluir e crescer. Isso vai acontecer”.

“Há muita vontade para que isso aconteça e o Sporting tem contribuído imenso para que o futebol feminino em Portugal, nos últimos oito anos, cresça em todas as categorias e escalões. Isso vai continuar a acontecer de forma muito evidente e estamos cá para contribuir para isso”, reforçou.

Valorizar as jogadoras formadas no Sporting é algo que “vai continuar a acontecer”, assegurou Mariana Cabral. “O Sporting tem uma formação que é a melhor do país e o projeto vai continuar a ser esse: a valorização das nossas jovens jogadoras, da equipa e do clube, faz parte do ADN do Sporting”, disse.

“O Sporting é candidato, sempre, a ganhar todas as competições em que se encontra. É com esse pensamento que vamos, acreditando que vamos fazer tudo ao nosso alcance para, em equipa, podermos conquistar competições. Isso é estar no topo”, terminou a treinadora das ‘leoas’.

O Sporting terminou a Liga feminina no segundo lugar, a nove pontos do tricampeão Benfica, tendo ‘caído’ nos quartos de final da Taça de Portugal e nas meias-finais da Taça da Liga, frente às ‘encarnadas’, com quem perdeu também a Supertaça.