Um golo tardio de Danny Namaso empurrou hoje o FC Porto para uma complicada reviravolta na receção ao Casa Pia (2-1), da 32.ª e antepenúltima jornada da I Liga de futebol, sustendo os festejos antecipados do comandante Benfica.

No Estádio do Dragão, no Porto, o inglês marcou aos 90+3 minutos e concedeu a sétima vitória seguida na prova aos campeões nacionais, que conservam ténues esperanças na revalidação do título, depois de Taremi (57) ter ‘anulado’ o autogolo de Evanilson (45+5).

O FC Porto repôs distâncias na vice-liderança e soma agora 79 pontos, quatro abaixo do Benfica, que tinha derrotado no sábado o Portimonense (5-1), e cinco acima do Sporting de Braga, terceiro classificado, que derrotou hoje o lanterna-vermelha Santa Clara (5-3).

A definição do vencedor da 89.ª edição da I Liga pode ficar decidida na próxima semana, caso o FC Porto perca na visita ao terreno do Famalicão, no sábado, às 20:30, ou, no dia seguinte, à mesma hora, o Benfica vença o rival Sporting, quarto colocado, em Alvalade.

 

Quanto ao Casa Pia, que tinha imposto um dos cinco ‘tropeções’ sofridos pelos ‘azuis e brancos’ na primeira volta (0-0, na 15.ª jornada), agravou a sua pior fase da época, com cinco desaires e dois empates, e confirmou a ‘queda’ para o 10.º posto, com 40 pontos.

Suspenso na vitória em Arouca (1-0), da ronda anterior, Sérgio Conceição regressou ao banco de suplentes do FC Porto e modificou três titulares, com Fábio Cardoso, Matheus Uribe e André Franco a renderem Iván Marcano, Marko Grujić e Otávio, respetivamente.

Os ‘dragões’ apoderaram-se desde cedo da bola e ameaçaram aos oito minutos, quando Uribe desviou por cima um livre lateral de Stephen Eustáquio, mas abriram espaços na retaguarda logo a seguir, com Saviour Godwin a atirar para intervenção de Diogo Costa.

Contando com os regressos de Nermin Zolotić, Derick Poloni e Felippe Cardoso face ao empate com o Portimonense (1-1), a formação de Filipe Martins foi cerrando linhas para dificultar a ligação do FC Porto, que apenas visou a baliza de Ricardo Batista por Mehdi Taremi, aos 36 minutos, por entre pontapés altos de Eustáquio (14 e 38) e Franco (20).

Nem a saída por lesão de Ângelo Neto abalou o Casa Pia, que foi punindo a precipitação no passe dos ‘azuis e brancos’ com diversos contra-ataques, através dos quais Godwin falhou a emenda ao centro de Soma (44 minutos) e rematou à figura de Diogo Costa (45).

A insistência dos visitantes rendeu frutos no quinto minuto de compensação da primeira parte, com Evanilson a cortar na direção da própria baliza um livre cobrado por Poloni na direita, cenário que deixava virtualmente o Benfica como campeão nacional ao intervalo.

O FC Porto acelerou com bola no reatamento e chamou por Gabriel Veron, que, poucos segundos após ter entrado em campo, desarmou Zolotić e passou para Evanilson, que esbarrou em Ricardo Batista, com Taremi a repor o empate na recarga, aos 57 minutos.

Esse fulgor quase se extinguiu quatro minutos depois, não fosse Diogo Costa negar uma finalização de calcanhar de Felippe, sendo recuperado com imensa ansiedade à mistura num lance acrobático de Galeno ao poste (75) e numa investida por cima de Veron (78).

O Casa Pia foi ‘sufocado’ na reta final e João Nunes impediu mesmo o 2-1 a Taremi (83 minutos), após um ‘tiro’ de Eustáquio sacudido de forma incompleta por Ricardo Batista, que parou ainda um cabeceamento de Uribe (85) e mais um ‘disparo’ de Galeno (90+2).

Na sequência dessa jogada, o brasileiro bateu um canto na esquerda e Pepê cruzou na direção de Toni Martínez, que tocou de cabeça para Danny Namaso ‘assinar’ a reviravolta com a coxa e exaltar os ânimos entre os dois bancos aquando dos festejos do FC Porto.