Vila Franca faculta cerca de 130 livros infanto-juvenis à biblioteca escolar da E.B.I de Ponta Garça

A Câmara Municipal de Vila Franca do Campo respondeu afirmativamente ao um pedido dos alunos das Escola Básica Integrada de Ponta Garça, facultando 129 livros infanto-juvenis à biblioteca daquele estabelecimento de ensino, os quais já se encontram disponíveis para usufruto dos estudantes vila-franquenses.

Para além dos referidos livros, a oferta literária da biblioteca escolar da E.B.I de Ponta Garça será brevemente reforçada com outras 26 obras.

Os livros, que fizeram parte de uma lista organizada por docentes e discentes daquela escola (a maioria integrados no Plano Nacional de Leitura) e mereceram a aceitação do Município, foram apresentados aos alunos na segunda-feira, 5 março, dia em que teve início a Semana da Literatura no estabelecimento de ensino de ponta-garcense.

Na ocasião, a Vereadora com o pelouro da Educação, Dr.ª Nélia Alves-Guimarães, disse ser “com muita alegria” que a Autarquia consegue proporcionar os referidos livros e frisou a importância de ter acesso à leitura e hábitos de leitura.

“Infelizmente, Portugal ainda está na cauda da Europa em relação aos hábitos de leitura, ainda se lê pouco e a mensagem que quero passar é que os hábitos vão se adquirindo pela força das vezes que se pratica, a leitura deve ser cultivada, desde tenra idade”, afirmou.
Nélia Alves-Guimarães apresentou também um livro que marcou a sua vida, no caso “Gente feliz com lágrimas”, da autoria do açoriano João de Melo, escolhido por seu uma obra que fala do povo açoriano, das dificuldades que algumas famílias passavam e de pessoas que tiveram de emigrar.

“O que este livro me disse foi que nós podemos sair da ilha, mas a ilha não sai de nós. Quando saí da minha ilha pela primeira vez, senti ainda mais o quanto gostava da minha terra natal”, recordou.

Por sua vez, a coordenadora da Rede Regional de Bibliotecas Escolares, Dr.ª Luzia Mota, referiu que a biblioteca é um centro de cultura, “onde estão todas as versões, todas as áreas e disciplinas”. Para a coordenadora da “importa ler, independentemente do formato em que as palavras se encontram”.

Luzia Mota aproveitou, ainda, a ocasião para, em nome da Rede e da Direção Regional da Educação, agradecer a colaboração da Autarquia. “Viemos aqui com a missão de tentar ter na Câmara Municipal e na sua sensibilidade parceiros e, felizmente, não foi preciso porque já percebemos que esta sensibilidade existe”, observou.