Vereadores da Oposição votam contra Orçamento da Câmara da Horta

Carlos Ferreira, Estêvão Gomes e Sandra Goulart

Os vereadores da coligação “Acreditar no Faial” votaram contra o Plano e Orçamento do Município da Horta para 2019 (PO2019). Os documentos foram aprovados pela maioria socialista na autarquia, após debate na reunião da vereação, mas contando com o voto desfavorável dos vereadores Carlos Ferreira, Estêvão Gomes e Sandra Goulart.

Carlos Ferreira, Estêvão Gomes e Sandra Goulart

Estão em causa estão, principalmente, “o aumento da extensão de caminhos municipais a asfaltar e a libertação do valor orçamentado para Apoio ao Investimento nas Freguesias (Fundo Próprio), bem como uma intervenção forte das zonas balneares, uma operação abrangente e concertada de desratização em toda a ilha e ao longo de todo o ano e a conclusão do processo do Orçamento Participativo de 2016”, refere uma nota de imprensa divulgada hoje.

Aliás, os social democratas faialenses referem que essas serão também as condições de aprovação do PO2019 pelo Grupo Municipal do PSD na Assembleia Municipal da Horta.

Reconhecendo “a legitimidade” da Câmara Municipal da Horta para executar o programa político do PS na Horta, “já que foi maioritariamente sufragado nas urnas pelos eleitores da ilha do Faial”, o Grupo Municipal do PSD “assume as responsabilidades decorrentes dos resultados das últimas eleições autárquicas para a eleição da Assembleia Municipal da Horta. Um órgão cuja função é, entre outras, fiscalizar a atividade camarária pelo que os Planos e Orçamentos municipais careçam da sua aprovação para que sejam executados”, esclarecem.

O Grupo Municipal do PSD considera que a proposta de PO2019 deve ser “retificada” no sentido de se aproximar o mais possível da concretização do objetivo de desenvolvimento do Concelho da Horta, “que todos os munícipes anseiam” e por isso, no exercício do ato fiscalizador que lhe compete, só dará o seu aval aos documentos em causa “se os mesmos corresponderem às condições apresentadas”.

Sobre o recente comunicado do Secretariado de Ilha do Partido Socialista, o PSD/Faial lembra que, “em democracia, é preciso saber respeitar as competências dos diferentes órgãos autárquicos”.

“O que o PS tem que perceber, de uma vez por todas, é que no Faial o tempo do quero, posso e mando acabou, pelo que é hora de o PS substituir a arrogância e prepotência pelo respeito e diálogo com os demais intervenientes políticos”, concluem.

Partilha