Falando em Vila Franca do Campo, na ilha de São Miguel, Vasco Cordeiro descreveu o movimento hoje apresentado – impulsionado pelo PS/Açores – como indo além “das fronteiras partidárias ou ideológicas”, num “reinterpretar” do papel dos partidos.

O objetivo é que as forças políticas atuem no movimento “não apenas como protagonistas do debate”, mas como “impulsionadores e incentivadores da participação” dos cidadãos, defendeu o também presidente do Governo Regional dos Açores.

Lembrando que em 2026 os Açores assinalam 50 anos de autonomia, o presidente dos socialistas açorianos garantiu que o “Todos Contam – Açores Primeiro” será um “exercício de liberdade, cidadania, responsabilidade e autonomia”.

Sandra Faria é a coordenadora geral do projeto e Nuno Tomé é o coordenador executivo deste movimento que se pretende cívico.

Qualidade de vida, sustentabilidade, participação, cultura e coesão são temas que deverão ser debatidos em conferências futuras do movimento.

Demografia, saúde, formação, educação, habitação, emprego ou desporto serão também áreas que motivarão reflexão dos participantes.

Em setembro de 2018, no XVII congresso do PS/Açores, Vasco Cordeiro anunciou o desejo de implementar o que à época referiu como um “grande movimento de análise sobre a região”, com contributos de empresas, cidadãos e “perspetivas diferentes” sobre a realidade açoriana.

Já a Comissária Geral do Movimento, a Pró-Reitora da Universidade dos Açores, Sandra Faria, sublinhou que com a participação de todos, os Açores podem ser ainda melhores”. Para tal, o movimento ‘Todos Contam! Açores Primeiro’ pretende dar voz às 10 ilhas, “de Santa Maria ao Corvo e à imensa ilha da comunidade Açoriana”, envolvendo todos na discussão em prol dos Açores.

Nesse sentido, este movimento de participação cívica está organizado em cinco áreas temáticas, que vão desde a Qualidade de Vida, à Coesão, à Sustentabilidade, passando ainda pela Governação e Transparência, Cultura e Património, tendo ainda cada uma destas áreas um Comissário Temático: Ana Catarina Rego, Ivo Sousa, Carla Gomes, Rodrigo Oliveira e Ana Brum, respetivamente.

Sendo esta geração a mais qualificada no que o acesso às tecnologias diz respeito, o Comissário Executivo do Movimento, Nuno Tomé, sublinhou que se pretende, através de sessões participativas, responder às questões lançadas à partida.

O Bloco de Esquerda dos Açores foi o único partido que, para já, comentou publicamente a iniciativa, tendo declinado o convite para estar presente na sessão de abertura, defendendo que “a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores é o local por excelência para travar esta batalha pelo futuro” do arquipélago.

“O BE está sempre disponível para o diálogo e para o confronto de ideias com o PS ou qualquer outro partido, com respeito, lealdade institucional e oportunidade de contraditório. Uma vez que a sessão de abertura do Movimento ‘Açores Primeiro’ não cumpre estes critérios, o BE declinou o convite endereçado pelo PS para participar no evento”, sinalizaram os bloquistas em nota enviada à imprensa.

Consulte o site abaixo