Vasco Cordeiro, em visita oficial à ilha de Santa Maria, aproveitou o lançamento da primeira pedra da obra de requalificação do Cinema do Aeroporto para enaltecer os investimentos que o Governo Regional tem feito na ilha e que marcam “a abertura de um novo ciclo”, dos quais é exemplo, também, o Polo de Vila do Porto do Museu de Santa Maria, cuja inauguração será na quarta-feira.

A reabilitação da antiga estrutura do Cinema do Aeroporto é um investimento de quatro milhões de euros e prevê um espaço aberto a todas as artes.

Vasco Cordeiro sublinhou o respeito por aquele “espaço emblemático, carregado de história, naquela que é a relação de Santa Maria com o mundo”, e diz que esse foi o ponto de partida para construir “um novo espaço que pretende servir, também, como polo de abertura, utilizando a cultura e o contacto com as artes como uma oportunidade para fomentar esta abertura e este contacto”.

O líder do executivo açoriano reiterou a importância do respeito pelas características “endógenas” da ilha em todos os investimentos que o Governo tem vindo a desenvolver, dos quais destacou a indústria espacial.

Sobre esta matéria, avançou que o desenvolvimento do trabalho do Governo Regional “indica, com muita certeza, que, no futuro, a partir das valências que Santa Maria apresenta, quer históricas, como é o caso do aeroporto, mas também umas que foram criadas nos tempos mais recentes e que têm a ver com a própria área de desenvolvimento espacial, poderá ter-se aqui em Santa Maria um espaço que constitua um setor de desenvolvimento económico para a região”, referindo-se ao lançamento de microssatélites.

A possibilidade de usar Santa Maria como porto de lançamento de microssatélites tem captado o interesse da Agência Espacial Europeia, mas também de investidores privados, garante Vasco Cordeiro.

O Governo Regional estará a trabalhar esta possibilidade junto de entidades públicas e privadas nos últimos dois anos e as características de Santa Maria, como a sua localização geográfica, ou o aeroporto, garantem vantagens à ilha em relação à Escócia ou à Noruega, que também competem na corrida pelo porto espacial de lançamento de microssatélites.