Situação “impõe preparativos” para qualquer eventualidade, alerta PS/Açores

O PS/Açores apelou hoje aos habitantes de São Jorge para que sigam as orientações da Proteção Civil, na sequência da crise sismovulcânica naquela ilha açoriana, destacando que a situação “impõe preparativos para a eventualidade de uma evolução menos positiva”.

Em comunicado, o presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, reforçou o apelo para que todos os jorgenses “sigam as orientações das entidades oficiais” da Proteção Civil, quer municipal ou regional.

O líder dos socialistas nos Açores alertou também que a situação que se vive atualmente na ilha de São Jorge “impõe preparativos para a eventualidade de uma evolução menos positiva da atual crise sísmica”.

“Não podemos deixar de ter a esperança que a situação se resolva sem qualquer problema de maior”, referiu.

O socialista pediu também aos habitantes da ilha de São Jorge para que procurem “fontes de informação fidedignas” e que “sempre que vejam uma informação a circular, por exemplo nas redes sociais, se questionem se se trata efetivamente de informação oficial”.

“Reconheço a ansiedade, o transtorno e as dificuldades que toda esta situação pode causar, mas deixo aqui um apelo à imprescindível serenidade no enfrentar desta crise e ao seguimento das orientações oficiais, emanadas das autoridades de Proteção Civil, regional e municipais”, sublinhou.

Vasco Cordeiro manifestou ainda a “total solidariedade para com todos aqueles que vivem já as perturbações que a presente crise trouxe às suas vidas, seja do ponto de vista familiar, do ponto de vista profissional ou em qualquer outra dimensão da vivência comunitária”.

Segundo a nota de imprensa, o presidente do PS/Açores esteve hoje no Centro de Informação e Vigilância e Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) e assegurou que está a acompanhar a evolução da situação “em contacto permanente com diversas entidades e autoridades”.

O líder do PS/Açores enalteceu e agradeceu ainda o “empenho e a dedicação” de todos os que, a nível local ou regional, “têm trabalhado de forma mais direta nesta situação”, mas também “a todos quantos se prontificaram a acolher, no imediato, os jorgenses da vila das Velas”.

Na quarta-feira, o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) elevou o nível de alerta vulcânico na ilha de São Jorge para V4 (de um total de cinco), o que significa “possibilidade real de erupção”.

Segundo disse aos jornalistas, na quinta-feira, o presidente do CIVISA, Rui Marques, o nível de alerta vulcânico de V4 é o mais alto possível para a atual situação, porque o nível V5 só pode ser acionado em caso de erupção.

Já hoje, o CIVISA revelou que, nas últimas horas, foram sentidos cinco sismos pela população da ilha de São Jorge, acrescentando que a atividade sísmica continua “acima do normal”.

A ilha está organizada administrativamente em dois concelhos, Velas e Calheta, onde vivem, respetivamente, 4.936 e 3.437 pessoas, segundo os dados provisórios dos censos da população de 2021.

Vasco Cordeiro reforçou, esta sexta-feira, o apelo a todos os Jorgenses para que “sigam as orientações das entidades oficiais, nomeadamente da Proteção Civil, seja ela municipal ou regional”.

Para Vasco Cordeiro, a situação que se vive presentemente na ilha de São Jorge “impõe preparativos para a eventualidade de uma evolução menos positiva da atual crise sísmica”, considerando que “não podemos deixar de ter a esperança que a situação se resolva sem qualquer problema de maior”.

O Presidente do PS/Açores expressou, em nome do partido, a sua “total solidariedade para com todos aqueles que vivem já as perturbações que a presente crise trouxe às suas vidas, seja do ponto de vista familiar, do ponto de vista profissional ou em qualquer outra dimensão da vivência comunitária”.

Vasco Cordeiro, que esteve esta sexta-feira no Centro de Informação e Vigilância e Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), adiantou que tem acompanhado o evoluir da situação em S. Jorge, em contacto permanente com diversas entidades e autoridades.

“Desde o passado sábado que, quer através das notícias que têm sido divulgadas, quer através contactos regulares com diversas entidades locais da ilha de S. Jorge, quer, ainda, pela informação que, ontem, o Senhor Secretário Regional da Saúde e Desporto, me transmitiu em contacto telefónico, tenho acompanhado o evoluir desta situação e partilho, naturalmente, da apreensão com que os Jorgenses têm vivido estes eventos”, adiantou o líder dos socialistas Açorianos.

Vasco Cordeiro enalteceu e agradeceu, em nome do PS/Açores, o “empenho e a dedicação” de todos os que, a nível local ou regional, “têm trabalhado de forma mais direta nesta situação”, mas também “a todos quantos se prontificaram a acolher, no imediato, os Jorgenses da Vila das Velas”.

O líder do PS/Açores apelou aos Jorgenses que procurem “fontes de informação fidedignas” e que “sempre que vejam uma informação a circular, por exemplo nas redes sociais, se questionem se se trata efetivamente de informação oficial”.
“Reconheço a ansiedade, o transtorno e as dificuldades que toda esta situação pode causar, mas deixo aqui um apelo à imprescindível serenidade no enfrentar desta crise e ao seguimento das orientações oficiais, emanadas das autoridades de Proteção Civil, regional e municipais”, finalizou o Presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro.

Pub