Pub

A União Europeia (UE) e os Estados Unidos estão a coordenar os preparativos para um pacote de sanções “sólido e abrangente” que será aplicado rapidamente se a Rússia atacar a Ucrânia, anunciou hoje a Comissão Europeia.

A questão foi discutida na sexta-feira à noite, numa conversa entre o chefe de gabinete da presidente da Comissão Europeia, Bjoern Seibert, e a secretária de Estado Adjunta norte-americana, Wendy Sherman.

Os dois debateram a situação na Ucrânia e a presença militar russa, segundo uma declaração da Comissão Europeia, citada pela agência espanhola EFE.

Seibert e Sherman “reafirmaram a importância da soberania territorial, a preservação das fronteiras existentes e a independência política da Ucrânia”, disse a Comissão Europeia.

Discutiram em particular “as medidas tomadas pela UE e pelos EUA para encorajar a Rússia a dar prioridade à desescalada, escolher a via da diplomacia e abster-se de todas as hostilidades”.

Seibert e Sherman reiteraram que “qualquer nova agressão russa contra a Ucrânia” terá consequências e custos pesados para a Rússia, segundo a declaração divulgada em Bruxelas.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reafirmou na sexta-feira que todas as opções estão em cima da mesa no caso de a Rússia atacar militarmente a Ucrânia.

Von der Leyen informou os líderes e aliados europeus sobre as sanções que o bloco da UE está a preparar para tal cenário durante uma videoconferência organizada pelo Presidente norte-americano, Joe Biden.

A Ucrânia e os seus aliados ocidentais acusam a Rússia de ter concentrado dezenas de milhares de tropas na fronteira ucraniana para invadir novamente o país, depois de lhe ter anexado a península da Crimeia em 2014.

A Rússia nega qualquer intenção bélica, mas condiciona o desanuviamento da crise a exigências que diz serem necessárias para garantir a sua segurança, incluindo garantias de que a Ucrânia nunca fará parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês).

Na sexta-feira, os Estados Unidos pediram aos norte-americanos que se encontram na Ucrânia para abandonarem o país por acreditarem que uma invasão russa poderá acontecer a qualquer momento.

Biden vai falar hoje por telefone com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, em mais um esforço para tentar evitar um conflito armado.

Também o chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, anunciou hoje que conversará sobre a crise com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, nas próximas horas.

Pub