Pub

Uma vitória inconsequente da equipa portuguesa, que não conseguiu anular a desvantagem trazida da primeira mão (derrota por 85-80), realizada na Islândia.

A equipa da casa teve uma entrada avassaladora no jogo. Com Raquel Laneiro e Nausia Woolfolk em destaque, as açorianas chegaram a estar a vencer por 10-0 e por 21-2. Através de transições rápidas e com rotações ao longo do terreno, a Sportiva acabou o primeiro quarto a vencer 28-15.

No segundo quarto, o jogo mudou de figura: a União Sportiva abrandou o ritmo e o Haukar aproveitou para reequilibrar o encontro. Ainda assim, apesar do equilíbrio, a equipa açoriana nunca perdeu a vantagem e foi para o intervalo a vencer por 48-39.

No terceiro período, o Haukar superiorizou-se à equipa da casa e conseguiu anular a desvantagem, com as islandesas, melhores fisicamente, a conseguirem fazer 18 pontos (contra 10 da equipa da casa).

Pub

No final do terceiro quarto, a Sportiva vencia pela margem mínima (58-57), uma vantagem insuficiente para seguir em frente na prova devido ao resultado da primeira mão.

No início do quarto tempo, a equipa islandesa continuou por cima no encontro, marcando a diferença pela eficácia. As forasteiras, inclusive, conseguiram pela primeira vez passar para a frente no marcador (63-65).

A meio do último quarto, Raquel Laneiro saiu lesionada e o jogo ficou ainda mais complicado para a formação portuguesa. Num período marcado pelo equilíbrio e com emoção até ao final, a União Sportiva até conseguiu passar para a frente do marcador, mas não mostrou a inteligência necessária na gestão do jogo para marcar presença na fase de grupos da prova europeia.

Pub