Toni Pèrez, aos 12 minutos, e Matías Platero, aos 13, fizeram dois golos de rajada que colocaram o Sporting confortável no encontro, com Ferran Font, de livre direto, a concluir a vitória, aos 36.

Com este triunfo, o Sporting não deixa o rival Benfica ‘fugir’ na liderança da competição e, com quatro jornadas realizadas, seguem ambas na frente, somando quatro vitórias e 12 pontos. Já o FC Porto perdeu terreno e desce ao quinto posto, com sete pontos, sendo ultrapassado na tabela pela Oliveirense e pelo Óquei de Barcelos.

A partida não podia começar da pior maneira, com o sportinguista Pedro Gil a bater com a cabeça no chão e a ter de ser transportado de maca. O jogo ficou interrompido durante cerca de seis minutos para assistência ao espanhol, que foi ovacionado enquanto saía da arena.

O jogo até começou com algum equilíbrio, mas o FC Porto foi abaixo progressivamente e a apatia demonstrada levou o Sporting a construir uma vantagem de dois golos no espaço de um minuto, notando-se uma motivação ‘extra’ nos ‘leões’, que queriam dedicar a vitória a Pedro Gil.

Aos 12, uma grande jogada coletiva, a baralhar as marcações que os jogadores do FC Porto efetuavam, culminou num remate de Toni Pèrez, que apenas teve de encostar. No minuto seguinte, galvanizados pelo apoio do público, o Sporting chegou ao 2-0, por Matías Platero, que circundou a área e rematou cruzado para a baliza defendida por Xavier Malian.

O ambiente esteve ‘quente’, sobretudo quando os adeptos ‘leoninos’ mostravam o seu desagrado perante algumas decisões da dupla de arbitragem, mas a vitória do conjunto ‘verde e branco’ nunca mereceu contestação.

Na segunda parte, a penalizar as décimas faltas dos dois conjuntos, Ferran Font, para o Sporting, e Giulio Cocco, para o FC Porto, que atirou ao poste, desperdiçaram os livres diretos, ambas aos 30 minutos.

O Sporting manteve o ascendente na partida e, aos 32, Toni Pèrez esteve perto de ‘bisar’, mas Xavier Malian percebeu o movimento do espanhol e negou-lhe o golo. Contudo, o terceiro tento do Sporting não tardou, aos 36, com Ferran Font, desta vez, a conseguir ‘bater’ o guarda-redes portista num livre direto.

Na 15.ª falta cometida pelo Sporting, a sete minutos do fim, Gonçalo Alves dispôs de uma ocasião soberana para recolocar o FC Porto na discussão do resultado, mas o intransponível Ângelo Girão manteve a baliza inviolável até ao apito final.