Pub

Um sismo de magnitude 2,6 na escala de Richter foi hoje sentido nas ilhas de São Jorge e do Pico, revelou o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA).

Em comunicado, aquela entidade revela que o abalo foi registado às 16:55 (17:55 em Lisboa), com “epicentro a cerca de um quilómetro a sudeste de Beira, ilha de São Jorge”.

“De acordo com a informação disponível até ao momento, o sismo foi sentido com intensidade máxima IV na escala de Mercalli Modificada) nas freguesias de Santo Amaro, Urzelina e Manadas (concelho de Velas, ilha de São Jorge).

O sismo foi, ainda, sentido com intensidade III/IV nas freguesias de Rosais e Velas (concelho de Velas, ilha de São Jorge) e na freguesia de Calheta (concelho de Calheta, ilha de São Jorge).

No Pico, o abalo foi sentido com intensidade III na freguesia de Santo António (concelho de São Roque do Pico).

Com uma intensidade de IV na Escala de Mercali modificada, os “carros estacionados balançam”, as “janelas, portas e loiças tremem” e “os vidros e loiças chocam ou tilintam”, podendo as paredes ou estruturas de madeira ranger, descreve-se na página da internet do Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA).

A intensidade III, considerada Fraca, acontece quando o abalo é “sentido dentro de casa” e “os objetos pendentes baloiçam”, sentindo-se uma “vibração semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados”, acrescenta.

O comunicado do CIVISA não esclarece se este abalo tem ligação à crise sismovulcânica iniciada em 19 de março na ilha de São Jorge, onde a atividade sismovulcânica continua “acima do normal, estendendo-se, grosso modo, desde a Ponta dos Rosais até à zona do Norte Pequeno – Silveira”.

Num ponto de situação feito hoje às 10:00, o CIVISA refere que foram, no âmbito desta crise, registados aproximadamente 41.951 eventos de baixa magnitude e de origem tectónica.

“Entre as 00:00 e as 10:00 de hoje foram contabilizados aproximadamente 160 sismos”, observa.

Até ao momento, “foram identificados cerca de 295 sismos sentidos pela população”, acrescentou.

Em 08 de junho, o CIVISA baixou o nível de alerta na ilha de São Jorge de V4 (ameaça de erupção) para V3 (sistema ativo sem iminência de erupção).

A ilha estava desde 23 de março, às 15:30 (mais uma hora em Lisboa), com o nível de alerta vulcânico V4 de um total de sete, em que V0 significa “estado de repouso” e V6 “erupção em curso”, na sequência da crise sismovulcânica registada desde 19 de março.

Antes disso, tinha sido ativado o alerta V2, no dia 20 de março às 00:40, e o V3, no mesmo dia, pelas 02:40.

O sismo de maior magnitude (3,8 na escala de Richter) desta crise ocorreu no dia 29 de março, às 21:56.

Pub