PUB

O secretário regional da Saúde dos Açores reconheceu hoje que o pagamento das progressões na carreira dos funcionários dos hospitais com contrato individual de trabalho está a demorar mais do que o esperado, mas assegurou que será efetuado.

“É um processo que envolve vários departamentos do governo e, infelizmente, não tem havido a rapidez e a celeridade que entendíamos necessária. O que é certo é que estamos a desenvolver todos os processos e as pessoas vão receber os valores que lhes são devidos”, afirmou o titular da pasta da Saúde nos Açores, Clélio Meneses, à margem de uma visita ao Centro de Saúde de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e Entidades com Fins Públicos (Sintap) nos Açores apelou hoje à intervenção do secretário regional na regularização dos pagamentos das progressões dos trabalhadores com contrato individual de trabalho dos hospitais de Ponta Delgada e Horta.

PUB

Em comunicado de imprensa, o sindicato lembrou que o Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira (HSEIT) “procedeu, no passado mês de setembro, ao pagamento das progressões dos seus trabalhadores com contratos individuais de trabalho”, mas os outros dois hospitais da região ainda não o fizeram.

O Sintap disse que a tutela da Saúde tinha dito que o pagamento “ocorreria o mais tardar durante o corrente mês” e apelou ao secretário regional que emane “as devidas instruções” aos hospitais de Ponta Delgada e Horta para que paguem “as progressões em falta”.

Questionado sobre os motivos deste atraso, Clélio Meneses disse que estão em causa “milhares de trabalhadores” e “milhares de processos” em cada hospital.

“Há hospitais que conseguiram mais facilmente, outros, por processos de reclamação, demoram mais tempo, mas o que é certo é que todos vão receber”, vincou.

No entanto, o governante não se comprometeu com uma data para a regularização das remunerações destes trabalhadores.

“Não posso adiantar uma data, porque não depende da minha vontade. Pela minha vontade já tinham recebido todos. Depende de um conjunto de procedimentos e, quanto maior é a unidade de saúde, mais complexo é o processo de contagem de tempo, de contagem de pontos, há reclamações, há processos que voltam para trás”, afirmou.

Em abril, o secretário regional da Saúde tinha dito que os trabalhadores das carreiras de regime geral com contrato individual de trabalho nos hospitais dos Açores começariam a receber atualizações salariais, com retroativos a 2019, até junho.

“São perto de 190 trabalhadores, cerca de 217 mil euros. Os primeiros 25%, conforme estava acordado com os sindicatos, começarão a ser pagos até ao final do primeiro semestre de 2022”, adiantou, na altura.

Além das carreiras gerais, que envolvem técnicos superiores, assistentes técnicos e assistentes operacionais, o executivo açoriano concluiu processos negociais para a regularização das carreiras de enfermeiros, técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e farmacêuticos.

Pub