Pub

O Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) não regista sismos sentidos pela população na ilha de São Jorge desde quinta-feira.

De acordo com a página da Internet do CIVISA, o último sismo sentido pela população ocorreu às 17:01 locais (18:01 em Lisboa) de quinta-feira, com intensidade IV na escala de Mercalli Modificada.

O abalo teve magnitude 2,6 na escala de Richter e epicentro a um quilómetro da Beira, no concelho das Velas.

O Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica salienta que a atividade sísmica que se tem vindo a registar naquela ilha, desde a Ponta dos Rosais até à zona do Norte Pequeno – Silveira, “continua acima do normal”.

Na sexta-feira, o CIVISA contabilizou cerca de 152 eventos, referindo que a atividade sísmica estava “estacionária em relação ao observado no dia anterior”.

Entre as 00:00 e as 10:00 de hoje, “foram contabilizados aproximadamente 89 eventos”.

Desde o início da crise sismovulcânica em São Jorge, em 19 de março, já foram sentidos pela população 273 sismos dos mais de 33.700 registados.​​​​

O sismo de maior magnitude (3,8 na escala de Richter) ocorreu no dia 29 de março, às 21:56.

Na quinta-feira, o presidente do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores, Rui Marques, disse que a crise na ilha de São Jorge se mantém com um “padrão constante” desde março.

De acordo com a escala de Richter, os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequenos (2,0-2,9), pequenos (3,0-3,9), ligeiros (4,0-4,9), moderados (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grandes (7,0-7,9), importantes (8,0-8,9), excecionais (9,0-9,9) e extremos (quando superior a 10).

A ilha mantém o nível de alerta vulcânico V4 (ameaça de erupção) de um total de sete, em que V0 significa “estado de repouso” e V6 “erupção em curso”.

Pub