PUB

O Santa Clara, reduzido a 10 unidades mais de uma hora, conseguiu segurar o ‘nulo’ frente ao Portimonense, em jogo da 16.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, que marcou a estreia do novo técnico dos açorianos.

Jorge Simão ainda ‘tremeu’ com a expulsão do lateral senegalês Pierre Sagna, aos 28 minutos, por acumulação de amarelos, mas viu a sua equipa transformar-se num ‘muro’ que os algarvios não souberam ‘furar’, mantendo-se o 0-0 até ao apito final.

As duas equipas, que vinham de ciclos com derrotas consecutivas, voltaram assim aos pontos: o Portimonense ocupa o nono lugar, com 20 pontos, e o Santa Clara é 15.º, com 14, ambos à condição.

PUB

Jorge Simão, que sucedeu esta semana a Mário Silva, fez cinco alterações à equipa derrotada na jornada anterior pelo Sporting de Braga (4-0), chamando à titularidade o médio japonês Kento Misao, reforço de inverno, além de Ítalo, Matheus Babi, Paulo Henrique e MT, enquanto o avançado brasileiro Welinton Júnior, recuperado de lesão, foi a única novidade no ‘onze’ algarvio face à derrota com o Benfica.

Com as duas equipas posicionadas em ‘4-4-2’, desde cedo foram os algarvios a ‘pegar’ na partida, criando perigo nas tentativas de Yago Cariello, num cabeceamento ao lado, aos nove minutos, e Welinton Júnior, que rematou para estirada junto ao solo de Gabriel Batista (12).

O ascendente algarvio manteve-se, sem criar ocasiões claras, enquanto o Santa Clara, mais recuado no terreno, apostava no contra-ataque sem frutos práticos, estratégia que ficou condicionada pela infantilidade do lateral-direito Pierre Sagna: viu dois amarelos no espaço de quatro minutos (24 e 28) – o segundo cartão por uma entrada fora de tempo a meio-campo e à esquerda, longe do seu raio de ação -, e foi expulso.

A equipa açoriana intensificou o seu perfil defensivo, em ‘4-4-1’, perante um Portimonense pouco criativo e que só gerava desequilíbrios nas incursões ofensivas do central Pedrão à direita, no entanto, sem colocar o guardião Gabriel Batista em apuros.

Para a segunda parte, Paulo Sérgio, sem mudar o modelo tático, prescindiu de Klismahn e apostou em Luquinha à direita do meio-campo, ‘carregando’ por esse flanco a maior parte do seu futebol, mas abusando dos cruzamentos sem nexo.

Numa segunda metade praticamente toda jogada num só meio-campo, o guardião Gabriel Batista resolveu com classe os duelos com Welinton Júnior (52 e 90+4) e Diaby (65), enquanto Róchez atirou ligeiramente ao lado (90), nas principais oportunidades dos algarvios.

Na fase final da partida, com o Portimonense a ‘acusar’ o esforço, o Santa Clara ainda tentou criar perigo, mas o empate sem golos manteve-se.

Pub