Jean Patrik do Santa Clara disputa a bola com Leandrinho do Gil Vicente , durante o jogo da Primeira Liga de Futebol, disputado no Estádio de Sao Miguel em Ponta Delgada, 03 de outubro de 2020 EDUARDO COSTA/LUSA
Pub

Santa Clara e Gil Vicente empataram hoje 0-0, em Ponta Delgada, na terceira jornada da I Liga de futebol, naquele que foi o primeiro encontro profissional da época com público, na sequência da pandemia de covid-19.

Este empate interrompeu o arranque vitorioso do Santa Clara no campeonato (após vitórias diante de Marítimo e Sporting de Braga) e soma assim sete pontos, que o deixa, provisoriamente, no primeiro lugar.

Já o Gil Vicente somou o quarto ponto (venceu o Portimonense) em dois jogos, num jogo com uma primeira parte bem disputada e uma segunda sem grande história.

Seis meses depois, e após a covid-19 ter afastado as pessoas dos estádios de futebol, o eco do silêncio das bancadas voltou a ser substituído por gritos, palmas e até assobios dos adeptos.

Para a história, fica a presença de 878 espetadores – eram permitidos 1.000-, todos com máscara e separados entre si por cinco cadeiras, no jogo que serviu de ensaio para o regresso de público aos eventos desportivos.

No relvado, a primeira parte foi equilibrada, bem disputada, com as duas equipas a lutarem pela iniciativa de jogo.

Desde o primeiro minuto que o Gil Vicente pressionou alto, mas sem perder a organização defensiva, enquanto o Santa Clara, com algumas dificuldades na construção de jogo, conseguiu criar perigo através de lances de bola parada.

Aos sete minutos, o Gil Vicente esteve perto do golo, através de Leauty. O avançado gilista aproveitou o espaço concedido pela defensiva açoriana, rematou forte, mas a intenção esbarrou na trave da baliza de Marco.

Através de dois cantos seguidos (aos 26 e 27 minutos), o Santa Clara esteve perto do golo em dois lances praticamente iguais. Canto de Salomão, cabeceamento forte de Carlos Júnior ao primeiro poste e defesa atenta de Denis. Um minuto depois, a mesma sequência e o marcador permaneceu inalterado.

Aos 30 minutos, Carlos Júnior até marcou, os adeptos celebraram e bola voltou ao círculo central do terreno. Mas o árbitro Iancu Vasilica após ouvir o videoárbitro anulou o golo por fora de jogo do avançado brasileiro do Santa Clara.

A segunda parte voltou a ser equilibrada, mas foi escassa em oportunidades de golo. O Santa Clara, com mais posse de bola, não conseguia penetrar na defensiva do Gil Vicente, que não cedeu um milímetro na organização.

Lá na frente, Thiago Santana, batalhou para se ver livre dos defesas adversários e procurava, sempre que possível, almejar a baliza gilista. Aos 73 minutos, o avançado rematou para uma defesa atenta de Denis.

Com o passar do tempo, o Gil Vicente equilibrou na posse de bola, mas, ao contrário do primeiro tempo, ambas as equipas parecerem pouco inspiradas e o 0-0 final acabaria por espelhar o que se passou em campo.

 

RESUMO

CLASSIFICAÇÃO

POS. J V E D DG PTS
1
Santa Clara
Santa Clara 3 2 1 0 3 7
2
FC Porto
FC Porto 2 2 0 0 7 6
3
SL Benfica
SL Benfica 2 2 0 0 6 6
4
CD Nacional
CD Nacional 2 1 1 0 1 4
5
Gil Vicente FC
Gil Vicente FC 2 1 1 0 1 4
6
Moreirense FC
Moreirense FC 3 1 1 1 0 4
7
Vitória SC
Vitória SC 3 1 1 1 0 4
8
Sporting CP
Sporting CP 1 1 0 0 2 3
9
Belenenses SAD
Belenenses SAD 2 1 0 1 0 3
10
CS Marítimo
CS Marítimo 2 1 0 1 -1 3
11
FC Famalicão
FC Famalicão 2 1 0 1 -3 3
12
Rio Ave FC
Rio Ave FC 2 0 2 0 0 2
13
Boavista FC
Boavista FC 3 0 2 1 -5 2
14
Tondela
Tondela 2 0 1 1 -1 1
15
Portimonense
Portimonense 2 0 1 1 -1 1
16
FC Paços de Ferreira
FC Paços de Ferreira 3 0 1 2 -3 1
17
SC Braga
SC Braga 2 0 0 2 -3 0
18
SC Farense
SC Farense 2 0 0 2 -3 0

Pedro Proença faz balanço “extremamente positivo” do regresso do público à I Liga

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) fez hoje um balanço “extremamente positivo” do regresso do público aos estádios da I Liga, no jogo entre Santa Clara e Gil Vicente, após as restrições devido à covid-19.

“Estamos numa fase pós-jogo, mas os indicadores que temos são muitíssimo positivos, não posso deixar, primeiro, de elogiar o comportamento do público, que cumpriu escrupulosamente aquele que foi o plano de contingência traçado pela LPFP”, afirmou Pedro Proença, fazendo um balanço “extremamente positivo”.

O presidente da LPFP falava no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada, após o empate 0-0 entre Santa Clara e Gil Vicente, naquele que foi o primeiro jogo profissional da época a contar com adeptos na bancada.

Proença elogiou também “o trabalho das equipas” e disse estar “muitíssimo satisfeito” com os procedimentos do encontro, apesar de ressalvar que ainda “faltam alguns dados para perceber efetivamente se tudo terá corrido em consonância” com as normas sanitárias.

“O futebol tem todas as condições para voltar a ter público de forma normal, obviamente numa primeira fase gradativamente, mas claramente o futebol tem condições para puder ter público no estádio”, acrescentou.

O responsável disse que o organismo irá elaborar um relatório que será entregue à Direção-Geral da Saúde (DGS) nos “próximos três dias” e que será apresentado ao público numa conferência de imprensa na próxima quarta-feira.

“Estamos muitíssimo satisfeitos com este teste e este teste ainda nos vai levar nos próximos dois dias a uma ponderação”, assinalou, referindo-se ao jogo entre açorianos e gilistas.

O Estádio de São Miguel abriu hoje portas ao público com 10% da sua limitação, cerca de 1.000 espetadores, tendo recebido 878, mas Pedro Proença disse que a partir de 19 de outubro o objetivo é aumentar essa capacidade.

“Estes 10% só são possíveis nesta fase de teste-piloto, portanto eu direi que a partir de dia 19 tudo o que seja abaixo dos 30% não nos satisfaz”, apontou.

A permissão de público no estádio de São Miguel surgiu após a LPFP ter sugerido à Direção Regional da Saúde dos Açores (DRS) que aplicasse aos encontros do Santa Clara as normas regionais, que permitem a presença de público em eventos desportivos, com máscara e distanciamento, no máximo de 10% da capacidade dos recintos.

 

Pub