“Nós recebemos uma notificação da Liga e agora havemos de expor a nossa argumentação quando formos (novamente) notificados para apresentarmos a nossa defesa e estamos de consciência tranquila que não serão tirados pontos ao Santa Clara”, garantiu Rui Cordeiro.

Em causa estão os jogos entre a formação açoriana e o União da Madeira, Gil Vicente e Varzim, das 25.ª, 26.ª e 27.ª jornadas da II Liga, respetivamente, nos quais não constavam três jogadores sub-23.

Segundo o regulamento de competições para a época 2017/2018, disponível na página oficial da Liga Portuguesa de futebol, os clubes a competir na II Liga de futebol “estão obrigados a incluir na ficha de cada jogo três jogadores de categoria sénior com idade até aos 23 anos”.

No caso dos clubes que não cumpram essa “obrigação regulamentar”, o regulamento disciplinar prevê uma “sanção de multa” que varia entre os 892.50 euros e os 3.570 euros.

Caso a infração seja praticada de “forma dolosa, reincidente ou numa das três últimas jornadas” o castigo pode passar por “sanções de derrota e de subtração de pontos a fixar entre o mínimo de dois e o máximo de cinco pontos”.

O presidente da SAD e do clube “encarnado” assegura que os “sócios e adeptos” do clube açoriano podem ficar “tranquilos” porque acredita que “neste caso a perda de pontos não é aplicável”.

“Não houve nenhuma reincidência e também não foi nos últimos três jogos do campeonato, não houve dolo, não houve qualquer intenção de causar dano por parte do Santa Clara”, garantiu Rui Cordeiro.

Em menos de 48 horas, o Santa Clara foi confrontado para além da perda de pontos com uma possível desclassificação por Carlos Pinto não ter formação adequada para treinar uma equipa de futebol profissional.

“O objetivo aqui, parece-nos, é criar instabilidade no grupo de trabalho, recordo que a noticia [da desclassificação] saiu menos de 24 horas antes de um jogo muito importante com o Sporting B e essas notícias são colocadas de certa maneira na perspetiva de criar instabilidade no grupo de trabalho”, justificou.

O presidente dos “encarnados” de Ponta Delgada assegura que ambos os casos estão entregues ao departamento jurídico do clube considerando que podem ocorrer novos “jogos de bastidores” até ao final do campeonato.

“Vamos aguardar com a máxima tranquilidade e serenidade os próximos desenvolvimentos sendo que o nosso objetivo passa por pensar jogo a jogo. O próximo jogo é com o Penafiel, temos dez finais para levar os santaclarenses e os Açores à primeira divisão”, assinalou.