Numa reação à decisão do Governo Regional dos Açores de encerrar os ginásios em São Miguel, a associação recorda que, em junho de 2020, aquando da reabertura daqueles espaços, foram definidos “critérios rigorosíssimos” para o seu funcionamento, regras que o setor “acatou” e cumpriu “escrupulosamente”

“A decisão de encerramento dos ginásios nos concelhos de alto risco prende-se apenas com a questão de redução de mobilidade dos cidadãos e não por estes serem um local de risco acrescido para o contágio e disseminação da pandemia causada pela Covid-19”, lê-se num comunicado da plataforma.

Na nota, a AGAP cita estudos científicos (da Universidade de Sheffield Hallam, no Reino Unido, e da Universidade ReI Juan Carlos, em Espanha), que defendem que os ginásios são “locais seguros para praticar exercício” e que a boa condição física “pode ajudar a reduzir a gravidade da infeção por Covid-19”.

“Dá-se inclusivamente conta de que os ginásios são dos poucos locais em que é possível garantir um rastreamento exaustivo dos utilizadores em todo e qualquer período do seu funcionamento”, é assinalado.

A plataforma defende ainda que os “ginásios são locais seguros” porque dispõem “das condições adequadas para a salvaguarda da saúde dos seus utilizadores”.

“As medidas de segurança adotadas, os investimentos realizados, os cuidados adotados pelos utilizadores e apertada supervisão por parte dos colaboradores dos ginásios são a melhor garantia para que estes espaços possam ser utilizados com tranquilidade”, é acrescentado.